Tommy Edison é um crítico cego de cinema: em vez de se distrair com efeitos especiais e beleza de atores, “eu assisto a filmes pelo roteiro e atuação”, diz ele. Obviamente Tommy não consegue ver, mas isto não o impede de usar um smartphone com tela de toque. Como usar o iPhone e o Android sem ver o que está na tela?

O iPhone tem desde a versão 3GS a função VoiceOver. Com ela, você passa o dedo sobre a tela e ouve uma descrição do que você está tocando. Não há risco de ativar apps ou funções por acidente: para ativá-los, você precisa tocar duas vezes. E para navegar entre telas, você usa três dedos. Tommy mostra como funciona no vídeo abaixo.

Para digitar, ele usa o recurso de Ditado presente apenas no iPhone 4S. Em outros modelos, a digitação é feita passando o dedo no teclado: o iPhone pronuncia a letra que você está tocando; toque duas vezes para digitar a letra. Parece ser bem trabalhoso, mas o VoiceOver ajuda pronunciando o autocompletar. Cegos podem ativar o VoiceOver sem ajuda de terceiros, e se você tem mais perguntas sobre ele, as respostas estão aqui.

O Android também funciona para cegos: desde a versão 1.6, ele tem o app TalkBack (disponível no Google Play) para falar o que está na tela. Segundo a página do projeto Eyes-Free do Google, aparentemente a função de passar o dedo na tela e ouvir o que está debaixo dele só surgiu no Ice Cream Sandwich. Em versões anteriores, isso era possível apenas usando a tecla direcional ou trackball. Antes do ICS, também não era possível para cegos ativar a acessibilidade sozinhos; agora, basta desenhar um retângulo na tela ao ligar o Android pela primeira vez, como você vê abaixo.

Para cegos, o Android 4.0 funciona basicamente como o iPhone no VoiceOver: passe o dedo nos elementos da tela para ouvir seu nome; toque (apenas uma vez) para selecionar; digite passando o dedo no teclado, ou use a função Ditado.

A Nokia, por sua vez, oferece o app Screen Reader para aparelhos Symbian mais recentes, que lê o conteúdo da tela. O Windows Phone, assim como o iPhone 3GS/4/4S e Android, tem comandos de voz, mas seu suporte nativo para cegos é bem pequeno – ele não lê o conteúdo da tela, por exemplo. O BlackBerry tem comandos de voz, notificações de áudio e teclados físicos táteis, porém não tem (de forma nativa) leitura do conteúdo da tela.

Além do suporte nativo em sistemas como iOS e Android, há também diversos apps de terceiros para quem tem problemas de visão, como os apps da Code Factory para Symbian e BlackBerry, ou este teclado braille para Android. [Youtube via Gizmodo US]