Médicos na China relataram neste mês de julho um caso raro de phthiriasis palpebrarum. Traduzindo: uma infestação de piolhos nos cílios, com imagens nítidas dos insetos que coçam. Embora não esteja claro como os piolhos foram parar na jovem paciente, os especialistas foram capazes de tratar a infestação sem maiores problemas.

O relato do caso foi publicado na semana passada no New England Journal of Medicine pelos médicos Xue Feng e Hong Qi do Terceiro Hospital da Universidade de Pequim. De acordo com o relatório, uma menina de 8 anos foi ao hospital depois de três semanas de coceira nas pálpebras. No exame, as pálpebras estavam avermelhadas. E quando os médicos olharam mais de perto, notaram a presença nítida de piolhos adultos e lêndeas nos cílios da garota. Os piolhos foram então confirmados como Phthirus pubis, também conhecido como piolho púbico ou pubiano.

Os piolhos e lêndeas da menina foram fisicamente removidos, e as roupas e lençóis de seus familiares foram lavados em água quente e mantidos separados dos dela. Duas semanas depois, ela voltou para um acompanhamento, agora sem coceira nas pálpebras e sem sinais de infestação adicional.

Imagens microscópicas dos piolhos nos cílios da paciente. Imagem: Xue Feng and Hong Qi/The New England Journal of Medicine (2021)

Os piolhos púbicos, como o nome sugere, são insetos parasitas que vivem principalmente nos pelos pubianos ao redor dos órgãos genitais e se alimentam de sangue. Eles são uma espécie distinta dos piolhos que podem viver no couro cabeludo ou nos pelos do corpo — os piolhos do corpo e da cabeça estão intimamente relacionados entre si, mas são diferentes em aspectos importantes. Contudo, em raras ocasiões, os piolhos púbicos podem migrar e sobreviver nos pelos mais ásperos do corpo que se assemelham à região púbica, incluindo os cílios.

Obviamente, encontrar piolhos púbicos nos cílios de uma criança gera preocupações sobre sua segurança. Apesar disso, os médicos disseram que não encontraram piolhos em nenhuma outra parte do corpo da menina, nem em seus pais. Por fim, eles relataram não ter identificado nenhuma evidência de que a menina havia sido abusada sexualmente. Embora esses piolhos normalmente se espalhem por contato sexual, os médicos observam que eles também podem ser transmitidos ao tocar superfícies ou objetos compartilhados que os transportam, especialmente coisas como toalhas e roupas de cama.

Assine a newsletter do Gizmodo

Piolhos humanos de todos os tipos continuam a ser um incômodo comum. Mesmo em países mais ricos, cidadãos com menos recursos são menos capazes de procurar prontamente tratamento para infestações, permitindo que os piolhos se espalhem para outras pessoas. Somente nos Estados Unidos, é estimado que entre 6 milhões e 12 milhões de infestações de piolhos acontecem todos os anos, entre crianças com idades de 3 a 11 anos.