O desmatamento na Amazônia brasileira está em alta. Muito alto, para ser mais exata.

Nos últimos 12 meses, 9.205 quilômetros quadrados de vegetação da Amazônia brasileira foram queimados, mostram dados oficiais publicados nesta sexta-feira (7) pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Os pesquisadores obtiveram os números usando o DETER (Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real), que usa imagens de satélite de baixa resolução para identificar novos desmatamentos rapidamente.

Isso é um aumento de 34% de agosto de 2019 a julho de 2020 e marca um recorde de 14 anos. Também foi um aumento de 101% em relação a dois anos atrás, o que significa que o Brasil praticamente dobrou seu ritmo de desmatamento desde que o presidente Jair Bolsonaro assumiu a presidência em janeiro de 2019. Desde então, a Amazônia brasileira viu cerca de 20,5 mil quilômetros quadrados queimar. É exatamente o que grupos indígenas e conservacionistas temiam o que acontecesse sob o regime de Bolsonaro.

No início deste semana, dados do INPE mostraram que a Amazônia brasileira viu 28% mais incêndios em julho do que em julho passado. O pico da temporada de incêndios florestais geralmente ocorre no final de agosto a setembro, e grupos ambientais estão aguardando ansiosamente os dados dos próximos meses.

O sistema DETER não consegue monitorar as causas dessa perda florestal, mas está claro que esses incêndios florestais não foram obra de Deus. A Amazônia brasileira é superúmida e, portanto, não haveria queimadas do nada. Em vez disso, os incêndios são causados principalmente pelo corte de árvores para extração de madeira, mineração, criação de gado e cultivo de soja. Um relatório de 2019 mostrou que 99% do desmatamento no Brasil é feito de forma ilegal.

“Terras públicas são invadidas pelo crime organizado, a floresta é derrubada, queimada, transformada em pasto e vendida”, disse Claudio Angelo, chefe de comunicação do Observatório do Clima do Brasil. “É preciso ter em mente que não são camponeses pobres que desmatam mais. Derrubar florestas é caro e requer investimento”.

Este aumento no desmatamento ocorre um mês depois que Bolsonaro instituiu uma proibição de quatro meses aos incêndios florestais na floresta tropical do País. Mas mesmo em um ano normal, a maioria dos incêndios é iniciada ilegalmente e é provável que a proibição nunca vá muito longe. O que está acontecendo se encaixa com a promessa da campanha de Bolsonaro de privatizar a floresta tropical e entregá-la à indústria.

“O aumento recorde de desmatamento não é resultado de incompetência; foi algo pensado”, disse Angelo.

Na véspera da divulgação dos novos números, 62 organizações da sociedade civil enviaram ao Congresso Brasileiro, Parlamento Europeu, investidores e autoridades internacionais uma lista de medidas emergenciais para conter a crise do desmatamento na Amazônia. Entre as políticas estão a moratória das queimadas e o aumento das penas para crimes ambientais, e a proteção de grupos indígenas que costumam ser administradores da floresta.

Este desmatamento está devastando os ecossistemas exuberantes e biodiversos da Amazônia e devastando as comunidades indígenas na floresta tropical que dependem disso. Mas Bolsonaro não deu nenhuma indicação de que se importava, o que não é surpreendente, considerando que horas depois de assumir o poder em 2018, ele assinou um decreto para dar o poder de designar terras indígenas ao Ministério da Agricultura.

Em meio à disseminação contínua do COVID-19, médicos também estão preocupados que outros vírus que podem causar pandemias também possam estar escondidos na Amazônia. O aumento do desmatamento pode liberá-los para o mundo por meio da transmissão de animais selvagens.

“Na Amazônia existe uma quantidade imensa de vírus. Com o nível de agressão que estamos causando ao meio ambiente, a próxima epidemia já está a caminho”, afirmou Gonçalo Vecina, ex-presidente da Anvisa, órgão federal de controle de saúde, em comunicado.

A própria queima da floresta também pode criar problemas de saúde, uma vez que os incêndios em massa podem criar poluição do ar que causa problemas respiratórios.

Tudo isso, é claro, também são notícias terríveis para o clima. Como as árvores sequestram carbono, a floresta amazônica é um dos sumidouros de carbono mais importantes do mundo. Mas quando as árvores pegam fogo, elas liberam todo o carbono de volta para a atmosfera, onde aquece o clima. Para piorar a situação, a crise climática tem contribuído para que os remanescentes florestais da Amazônia se tornem mais secos, o que também pode ameaçar os ecossistemas e o potencial de sequestro de carbono. Cientistas alertaram que a Amazônia pode não ser capaz de se adaptar a essas condições mutantes.

“O Brasil é o sétimo maior emissor de gases de efeito estufa do mundo e 45% das emissões do Brasil vêm do desmatamento”, disse Ângelo. “Para o clima, o desmatamento é uma catástrofe”.