Se você está fazendo algo que não devia, pense duas vezes antes de usar um webmail. Como David Petraeus e sua amizade colorida com Paula Broadwell constataram pessoalmente, graças a informações e metadados contidos nos emails, você pode ser descoberto.

O FBI estava investigando Paula por conta de alguns emails não muito legais que ela estava enviando para uma amiga da família de David chamada Jill Kelley.



As mensagens eram enviadas de uma conta que usava um pseudônimo, mas ligando os pontos (como a localização de hotéis e dos locais onde ela e David se encontravam) tudo ficou bem claro. Essa informação acabou revelando ao FBI que David, então diretor da CIA, estava tendo um caso com Paula, que por acaso está escrevendo uma biografia dele. Como diz o Wall Street Journal:

“Eles descobriram que a Sra. Broadwell e o Sr. Petraeus configuraram contas privadas no Gmail para comunicação, que incluía detalhes explícitos de natureza sexual, de acordo com os oficiais norte-americanos. Mas pelo fato de o Sr. Petraeus usar um pseudônimo, os agentes que monitoravam a situação não descobriram de imediato que era ele quem estava se comunicando com a Sra. Broadwell. No final de junho, depois que o monitoramento dos emails da Sra. Broadwell revelaram que ela estava se comunicando com o Sr. Petraeus, promotores e agentes alertaram oficiais do FBI e do Departamento de Justiça, incluindo o Sr. Holder, disseram. Os oficiais ainda disseram que em nenhum momento monitoraram os emails do Sr. Petraeus.”

Diz aí: você achou que o responsável pela espionagem de um país seria mais esperto a ponto de não ser delatado por um serviço de email gratuito, certo? Pois bem, ele não é, o que significa que qualquer um de nós corre o risco de ter a vida arruinada por muito menos. Diante do escândalo, o General David Petraeus pediu demissão do cargo que ocupava. [WSJ via The Atlantic]