Cultura

Disney+ perde 1,3 milhão de assinantes após aumento de preços

Nos últimos meses, streaming da Disney aumentou mensalidade além de começar a proibir o compartilhamento de senhas
Imagem: Divulgação/The Walt Disney Company

O Disney + perdeu 1,3 milhão de assinantes no último trimestre de 2023 após subir os valores das assinaturas no exterior, em outubro do ano passado. De acordo com informações da Variety, os assinantes do Disney+ Core caíram de 112,6 para 111,3 milhões em relação ao trimestre anterior. Os resultados foram divulgados pela empresa na última quarta-feira (7).

O “Disney+ Core” inclui clientes dos EUA e do Canadá, bem como usuários internacionais, excluindo o Disney + Hotstar, com sede na Índia.

Em contrapartida, a Disney conseguiu reduzir as perdas em US$ 300 milhões. Além disso, planeja ganhar entre 5,5 milhões e 6 milhões de assinantes ao seu negócio até o fim do trimestre atual, em março. A companhia afirma estar “no caminho certo para atingir ou exceder” a “meta de economia anualizada de US$ 7,5 bilhões até o final do ano fiscal de 2024”.

Já outros streamings, como o Disney+ Hotstar, da Índia, somou mais 700 mil assinantes no último trimestre de 2023, indo de 37,6 milhões, em setembro, para 38,3 milhões. Ao todo, a Disney alcançou 149,6 milhões de assinantes nos dois serviços até o fim do ano. Uma pequena diminuição em relação aos 150,2 milhões do trimestre anterior.

Já a plataforma norte-americana Hulu, por sua vez, contou com um aumento de 43,9 milhões para 45,1 milhões de assinantes em seu streaming e até 4,6 milhões em TV ao vivo e on demand. Em dezembro, o Disney+ começou a integrar o conteúdo do Hulu em sua plataforma, e deve migrar ainda mais títulos até março de 2024.

No Brasil, o último aumento de preços ocorreu em abril. A plataforma também está trabalhando para proibir o compartilhamento de senhas no streaming — e já começou pelo Canadá.

Resultados financeiros da Disney

A receita da Disney, de US$ 10 bilhões para a divisão de entretenimento, com TV, filmes e streaming, caiu 7% em relação ao mesmo trimestre de 2022. Enquanto isso, os US$ 4,8 bilhões para esportes, incluindo ESPN e Star, tiveram um aumento de 4%. Por fim, o valor de US$ 9,1 bilhões para experiências, como parques e outros produtos, também tiveram aumento, de 7%.

Por outro lado, as vendas de conteúdo e a receita de licenciamento, incluindo bilheterias de cinema, caíram 38%. Segundo a Variety, a empresa atribui isso ao fraco desempenho de filmes como “The Marvels” e “Wish”, por exemplo.

Isabela Oliveira

Isabela Oliveira

Jornalista formada pela Unesp. Com passagem pelo site de turismo Mundo Viajar, já escreveu sobre cultura, celebridades, meio ambiente e de tudo um pouco. É entusiasta de moda, música e temas relacionados à mulher.

fique por dentro
das novidades giz Inscreva-se agora para receber em primeira mão todas as notícias sobre tecnologia, ciência e cultura, reviews e comparativos exclusivos de produtos, além de descontos imperdíveis em ofertas exclusivas