Os últimos tempos têm sido difíceis para criptomoedas. A cotação do bitcoin despencou, e muitas outras moedas digitais e corretoras foram acusadas de fraude. O mais novo episódio do tipo envolveu duas celebridades: o produtor DJ Khaled e o boxeador Floyd Mayweather Jr.

Os dois promoveram em suas redes sociais a ICO (oferta inicial de moedas, na lista em inglês) de uma moeda chamada Centra (CTR) e não revelaram que foram pagos para isso pela empresa responsável. A SEC (órgão regulador do mercado financeiro nos EUA, equivalente à nossa CVM) acusou os dois pela irregularidade e cobrou multas e ressarcimentos que, combinados, passaram de US$ 750 mil.

• Mineração de bitcoin pode usar mais energia que a de metais, sugere estudo

Os fundadores da Centra, empresa por trás do ICO do CTR, já haviam sido alvo de processo judicial em abril por fraude na operação. Sohrab “Sam” Sharma e Robert Farkas, os responsáveis pela companhia, foram acusados de conseguir US$ 32 milhões dos investidores por meio de uma “oferta inicial de moedas fraudulenta”. A empresa alegava ter apoio de empresas de cartão de crédito e bancos — mas era tudo mentira. Farkas chegou a ser preso tentando sair dos EUA, inclusive.

A ICO do CTR foi promovida nas redes sociais de DJ Khaled e Floyd Mayweather Jr. Eles foram pagos para fazer isso, mas não revelaram nas mensagens nem comunicaram os órgãos competentes. A SEC determina que quaisquer pagamentos para promover investimentos em ações, títulos ou moedas devem ser informados ao público, para que investidores possam avaliar corretamente as informações e propagandas.

Weather Jr. foi obrigado a entregar às autoridades os US$ 300 mil pagos a ele e pagar US$ 300 mil de multa e US$ 14.775 de juros. Khaled entregou os US$ 50 mil recebidos pela divulgação e pagou US$ 100 mil de multa e US$ 2.725 de juros. Nenhum dos dois confirmou ou negou as acusações.

[SEC]