Durante anos, a empresa espacial privada Moon Express promoveu suas grandes ambições de um dia minerar a Lua, em busca de recursos deliciosos que não incluem queijo. Depois de anos de segredo, a empresa saiu das sombras nesta quarta-feira (12) falando sobre como planeja alcançar seus objetivos elevados — aparentemente, ela tem como meta configurar um posto avançado na Lua já em 2020. Se isso parece um prazo bem apertado, é porque é.

• A melhor imagem da Grande Mancha Vermelha de Júpiter finalmente está entre nós
• Contemple a menor estrela já encontrada

De acordo com o Ars Technica, a empresa planeja enviar uma série de missões para a Lua nos próximos anos, e a companhia afirma já ter financiamento para três delas — Lunar Scout, Lunar Outpost e Harvest Moon. A primeira missão está prevista para ser lançada no final desse ano, quando uma nave espacial MX-1 será lançada a bordo do veículo de lançamento Electron, do Rocketlab. Missões subsequentes estão previstas para 2019 e 2020, quando a empresa espera começar a trazer amostras lunares à Terra.

A Moon Express está especialmente interessada na mineração de minério de ferro, metais preciosos e, talvez, o mais importante, água, que os entusiastas do espaço estão interessados em transformar em combustível de foguete. A Moon Express está interessada em transformar esse combustível de foguete em dinheiro, por motivos óbvios.

Em menos de uma década, a empresa, com sede na Flórida, superou sua ambição original de vencer a competição lunar XPRIZE, do Google, de US$ 20 milhões. Embora a Moon Express ainda esteja bastante na corrida para pousar na Lua no final de 2017 e conseguir esse dinheiro, a essa altura, o projeto cresceu e se tornou algo muito maior que uma única missão para o satélite.

Se a Moon Express tiver sucesso, ela pode ser a primeira empresa privada a pousar na Lua. Resta saber se ela vai ter sucesso em configurar um aparato de mineração lunar em três anos. Como sempre, ad astra.

[Ars Technica]