Quando a Epic Games anunciou que o Fortnite para Android seria distribuído fora da Google Play Store, o motivo era evidente: evitar que as transações dentro do jogo fossem taxadas. Não teve mais jeito: o game estará disponível na loja oficial e parte de sua receita será abocanhada pelo Google.

Fortnite é um dos games mais populares dos últimos anos e uma das razões é o fato de ser gratuito. A Epic Games, desenvolvedora do jogo, ganha dinheiro com as microtransações dentro daquele universo – itens cosméticos como roupas para os personagens, novas danças de comemoração, entre outros.

Ao ser distribuído na Play Store, cada uma dessas transações é taxada pelo Google, que intermedia o processo de pagamento. E o valor não é baixo: 30%.

A Epic Games explica que o Fortnite estará disponível na Play Store, mas ainda pode ser baixado de forma independente pelo seu site.

“O Google coloca o software baixável fora da Google Play em desvantagem, por meio de medidas técnicas e de negócios como pop-ups assustadores e repetitivos de segurança […], acordos restritivos com fabricantes e operadoras, caracterização softwares de terceiros como fontes de malware e novos esforços como o Google Play Protect para bloquear completamente software obtido fora da loja Google Play”, disse um porta-voz da Epic Games em um comunicado, publicado pelo TechCrunch.

“Por causa disso, lançamos o Fortnite para Android na Google Play Store”, completou.

O Google tem razão sobre as preocupações com segurança. A maior parte dos malwares no Android vem, de fato, de aplicativos instalados via fontes de terceiros – embora software malicioso muitas vezes esteja disponível na própria Play Store. Fica mais fácil enganar usuários ao distribuir um arquivo APK (de instalação de apps) por meio de páginas de phishing, por exemplo.

Quando o Fortnite foi lançado para iOS, a Epic Games não teve conversa: só é possível distribuir o game na plataforma do iPhone e iPad por meio da App Store. Para se ter uma noção da receita que o game pode gerar, as 3 primeiras semanas no iOS rendeu US$ 15 milhões – isso em 2017.

A briga da Epic Games com distribuidoras não se restringe ao Google. Em 2018, a companhia lançou a sua própria loja para PC e Mac para concorrer com a Steam. O argumento da empresa é que os 30% cobrados por praticamente todos os distribuidores é “desproporcional ao custo dos serviços que essas lojas fornecem”. Em sua plataforma, a taxa é de 12%.