A descoberta de um esqueleto de 5.000 anos de idade de um jovem adulto com sérias limitações físicas sugere que havia uma forma de apoio social na China neolítica, mas apenas até certo ponto, pois esse indivíduo pode ter sofrido uma morte prematura.

O esqueleto foi encontrado no sítio arqueológico de Guanjia, na província de Henan, na China, e remonta ao final do período cultural neolítico Yangshao (3300 a 2900 aC). Uma análise recente desse esqueleto revelou uma série de problemas de saúde físicos e possivelmente cognitivos que exigiriam que outros cuidassem desse indivíduo, de acordo com uma nova pesquisa publicada no International Journal of Paleopathology.

Designada M53, essa pessoa tinha proporções normais de corpo, mas era muito mais baixa que o normal, com uma estrutura magra. Os pesquisadores, uma equipe colaborativa do Queens College em Nova York, da Universidade de Otago na Nova Zelândia e de outras instituições, não conseguiram determinar o sexo do indivíduo, mas a pessoa morreu após atingir a idade adulta. O M53 foi enterrado de acordo com os costumes normais de Yangshao, mas suas mãos estavam posicionadas atrás das costas, por razões que não estão claras. A análise do esqueleto também revelou fraturas do pescoço, o que provavelmente contribuiu para a morte de M53 – lesões possivelmente infligidas intencionalmente.

É importante ressaltar que o M53 tinha ossos muito finos e ocos, semelhantes à osteoporose grave, e provavelmente possuíam músculos muito fracos, como evidenciado por marcações específicas do músculo esquelético. Analisados em conjunto, isso sugere que M53 tinha displasia física, levando a uma espécie de nanismo, um corpo subdesenvolvido e fraqueza. Esse indivíduo teria sido muito limitado fisicamente e possivelmente até paralisado. Além disso, se o M53 foi afetado por problemas hormonais graves – o que parece ser o caso – ele também pode ter sofrido atrasos cognitivos e distúrbios de humor, de acordo com a nova pesquisa.

As cavidades no crânio são evidências potenciais de um tumor que causou comprometimento da função da hipófise. Imagem: SE Halcrow et al., 2019

Ekaterina Pechenkina, coautora do estudo e antropóloga do Queens College, disse que esses traços anômalos podem ter sido causados ​​por uma função reduzida da glândula pituitária, uma glândula crítica que “regula nosso crescimento e bem-estar geral”, explicou ela em um e-mail para o Gizmodo. “Entre outras coisas, ela produz o hormônio do crescimento”. De fato, a análise de sua equipe sobre o crânio revelou depressões em uma estrutura óssea que hospeda a glândula pituitária – um sinal de que um tumor fez com que a glândula parasse de funcionar corretamente.

Pechenkina disse que “todas essas manifestações esqueléticas sugerem hipopituitarismo como diagnóstico”, uma condição rara na qual a hipófise não pode produzir hormônios suficientes, levando a uma série de problemas, incluindo fraqueza muscular. Consequentemente, esse achado raro está oferecendo novas ideias sobre as normas culturais do período e sobre como os indivíduos com diferenças físicas ou deficiências visíveis foram tratados.

“Sabemos que o M53 era um indivíduo minúsculo, com ossos muito magros e frágeis e músculos subdesenvolvidos, que apesar de suas habilidades físicas limitadas sobreviveu até a idade adulta”, disse Pechenkina.

A sobrevivência nessa comunidade agrícola do norte da China, com 5.000 anos de idade, exigiria força física considerável, explicou Pechenkina. Cortar madeira para fazer fogueiras durante os invernos frios teria sido uma habilidade “essencial”, disse ela. Para adquirir comida, as pessoas precisavam preparar o solo, plantar sementes, regar as plantas e assim por diante.

“Acho que um indivíduo magro e frágil como o M53 precisava de muito apoio e ajuda de seus familiares”, disse Pechenkina. “É improvável que eles tenham sido excluídos por sua comunidade”, disse ela, pois não havia evidências de abuso ou sinais de fraturas antigas. E como o M53 foi enterrado de uma maneira (razoavelmente) típica, eles foram “considerados como seus”, disse ela.

O “modelo de cuidado” exato, nas palavras dos pesquisadores, é desconhecido, mas Sian Halcrow, coautora do estudo e pesquisadora da Universidade de Otago, disse que provavelmente existiu de alguma forma.

“Isso porque a displasia provavelmente teve alguns efeitos associados à saúde desde tenra idade, e isso significaria que o M53 teria necessidades de cuidados extras”, disse Halcrow em um comunicado à imprensa. “Mas ele viveu até a idade adulta, então é provável que foi cuidado por outros membros da família ou da sociedade”.

Dito isto, Pechenkina e seus colegas acreditam que o M53 provavelmente morreu devido à fratura do pescoço acima mencionada.

“Suas vértebras no pescoço parecem ter sido fraturadas por volta da hora da morte, o que torna provável que ele tenha sido morto pelos membros do grupo, seja porque passou a ser visto como um fardo ou porque sua saúde se deteriorou ou, talvez, porque seus cuidadores ficaram velhos demais ou morreram”, disse Pechenkina. “Para mim, uma pergunta interessante é se nosso indivíduo M53 foi reconhecido como diferente desde a infância ou apenas após uma certa idade, quando sua baixa estatura e fragilidade se tornaram aparentes”, disse ela, acrescentando que: “Eu suspeito que até certa idade ele era provavelmente tratado como criança”.

Não obstante as circunstâncias problemáticas da morte de M53, sua sobrevivência na idade adulta exigiria muito tempo, paciência e recursos – e também um certo grau de compaixão e aceitação. Sim, o neolítico era difícil, mas claramente longe de ser bárbaro.

Sem dúvida, esta descoberta mostra uma maneira em que a cultura do Neolítico era socialmente avançada, mas não deveríamos nos surpreender tanto (evidências do início deste ano revelaram que os bebês neolíticos europeus bebiam leite animal por meio de copinhos).

As evidências de apoio social remontam ainda mais no tempo – desde os Neandertais e outros seres humanos arcaicos, que cuidavam de membros de suas comunidades com deficiências físicas graves. Comportamentos pró-sociais como esses, pode-se argumentar, contribuíram muito para o sucesso de nossa espécie.