Os cientistas dizem que pela primeira vez realizaram uma extensa análise das bactérias que vivem na vagina humana. E eles parecem ter encontrado muitas surpresas.

Nos últimos anos, muitos estudos foram feitos sobre o microbioma intestinal: o mundo simbiótico invisível de bactérias e outros microrganismos que vivem em nosso sistema digestivo. Mas as bactérias vivem em todo o corpo humano, inclusive na vagina.

Assim como o microbioma intestinal, os pesquisadores suspeitam que um microbioma vaginal equilibrado é essencial para a saúde em geral. Provavelmente, ele desempenha um papel fundamental na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e infecções do trato urinário, e pode facilitar a gravidez das mulheres.

Enquanto isso, as infecções bacterianas da vagina perturbam o microbioma e têm sido associadas a um maior risco de parto prematuro, distúrbios inflamatórios crônicos e maior risco de outras infecções.

Até agora, a pesquisa sobre o microbioma vaginal sugeriu que ele é muito menos diverso do que o microbioma intestinal, com menos espécies distintas de bactérias vivendo lá. Mas os autores de um novo estudo publicado recentemente na Nature Communications afirmam que foram os primeiros a criar um catálogo genético maciço do microbioma vaginal.

Para criar esse mapa, os pesquisadores analisaram centenas de “metagenomos” vaginais – que são a soma total de todo o material genético de uma amostra, sejam eles de seres humanos, bactérias ou vírus. A partir dessa sopa de DNA, eles isolaram quase um milhão de genes únicos e não redundantes que provavelmente pertenciam a bactérias. Eles usaram esses genes para identificar grupos distintos de bactérias. O catálogo foi então usado para analisar mais de 1.700 outros metagenomos. No total, o estudo envolveu bactérias extraídas de mulheres de todo o mundo, da América do Norte, África e Ásia.

Para nenhuma surpresa, eles encontraram relativamente poucas espécies de bactérias que vivem regularmente na vagina, cerca de 300 ou mais (o microbioma intestinal provavelmente tem mais de mil). Mas, de acordo com o autor principal do estudo, Jacques Ravel, um microbiologista e pesquisador de genômica da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland, havia muitas diferenças no nível genético dentro da própria espécie.

“Há muito mais diversidade entre as variedades de uma bactéria, o que significa que a mulher pode transportar genes de uma bactéria que são muito diferentes das de outra pessoa”, disse Ravel ao Gizmodo por telefone. “Portanto, dentro do microbioma de uma mulher, mesmo que seja dominado por uma espécie de bactéria, há muitas variedades dessa espécie que criam uma pequena comunidade, cada uma contribuindo com algo para a função dessa comunidade”.

Se for esse o caso, acrescentou Ravel, um microbioma vaginal saudável não se trata apenas de ter a mistura certa de espécies bacterianas, mas a mistura certa de variedades de uma bactéria. E isso é importante saber se queremos encontrar uma maneira de equilibrar um microbioma fora de sintonia.

No momento, médicos e pesquisadores já estão conduzindo ensaios clínicos que ajudam as pessoas a redefinirem seu microbioma intestinal disfuncional, geralmente através de um transplante fecal. Mas ainda estamos nos estágios iniciais de descobrir como fazer o mesmo com o microbioma vaginal.

Alguns cientistas teorizaram que as pessoas podem simplesmente tomar probióticos orais, mas isso provavelmente não funcionará, disse Ravel, já que seria uma longa jornada para as bactérias sobreviverem e atingirem a vagina (as bactérias precisariam chegar ao reto, depois a vagina e ainda estar em boas condições para colonizá-la). Outros demonstraram sucesso precoce com secreções transplantadas retiradas de doadores que são aplicados por via vaginal, mas esse método pode vir com preocupações adicionais de segurança, semelhantes aos transplantes fecais.

Ravel e sua equipe acham que podem usar seu catálogo e outras pesquisas para criar tratamentos de “medicina viva” que forneçam a combinação ideal de variedades bacterianas para mulheres cujos microbiomas estão desequilibrados. No ano passado, ele e outros co-fundaram a empresa de biotecnologia Luca Biologics, desmembrada de seu laboratório na Universidade de Maryland. Eles planejam desenvolver tratamentos para infecções do trato urinário recorrentes, infecções bacterianas da vagina e parto prematuro. Em termos de pesquisa, eles também planejam estudar como o microbioma pode afetar o risco das mulheres de contrair doenças sexualmente transmissíveis.

“Nós aprendemos muito com isso sobre como o microbioma deveria ser”, disse Ravel. “E, no futuro, esperamos poder colocar essas ideias em prática e desenvolver intervenções para melhorar a saúde das mulheres”.