Assim como várias pessoas, não uso muito o Facebook atualmente. Porém, quando fiz uma visita à toa nesta tarde à maior nação-estado digital do mundo, tive uma estranha percepção: meu deus, como ele é feio.

Claro, é fácil criticar o Facebook. Uma pesquisa divulgada nesta sexta-feira (5) descobriu que 60% dos americanos não confiam “nem um pouco” no Facebook para cuidar de seus dados. Reclamamos da rede o tempo todo. Até o próprio Facebook lançou uma campanha no ano passado que parecia admitir que “spam, caça-cliques, notícias falsas e uso inapropriado de dados” haviam se tornado sinônimos da empresa (naturalmente, o site jurou melhorar).

Porém, embora o Facebook tenha sido acusado de permitir de tudo, desde discriminação habitacional até alimentar genocídio, existe uma verdade muito mais simples sobre seu impacto negativo na vida das pessoas: ele é um site idiota que é uma droga de usar e de olhar.

Sério, dá uma olhada nesse troço. Tem alertas no topo da página exigindo sua atenção. Uma mistura de recursos e links inúteis na coluna à esquerda. Uma variedade de outros widgets esquisitos entupindo o lado direito. E aí, no centro, uma enxurrada de conteúdos de marcas e anúncios, intercaladas por uma atualização ocasional sobre a vida de alguém com quem você de fato se importa.

Tudo bem, houve um tempo em que a interface simplista do Facebook foi uma alternativa bem-vinda ao mais personalizável (e caótico) MySpace. Porém, em algum momento, a obsessão do Facebook por novos recursos se intensificou demais, com funcionalidades como o “Marketplace” tomando cada vez mais espaço de tela.

Evidentemente, esse não é o principal problema quando falamos dos efeitos negativos do Facebook. Mas é meio chocante reconhecer que o gigante da tecnologia que abalou o globo é o equivalente digital de uma loja de um real.

Em um levantamento com usuários adultos do Facebook nos Estados Unidos no ano passado, 42% disseram ter dado uma pausa “de várias semanas ou mais” na rede social em 2018. Talvez alguns deles tenham decidido se abster do site por razões filosóficas, éticas ou de privacidade, mas suspeito que a maioria simplesmente se cansou desse app horroroso e fundamentalmente chato.

Sério, dá para acreditar que essa piada dessa espelunca de site é o que está “explorando uma vulnerabilidade na psicologia humana“? Que é o site que está minando a democracia? Destruindo “o funcionamento da sociedade“?

O Facebook é tipo o cara com quem sua amiga está namorando há muito tempo em um relacionamento dramático, mesmo que ele claramente seja um embuste e ela obviamente precise terminar com ele. E aí, quando você finalmente o conhece pessoalmente, ele é assim:

Foto: AP

Tipo, sério? Ele???