Nesta segunda-feira (19) o Facebook anunciou suas principais novidades por meio de um post em seu blog. Seus três novos produtos são um recurso que permite ouvir podcasts em segundo plano, sua própria versão do aplicativo Clubhouse e a ferramenta Soundbites. Juntos, eles formam um conjunto de plataformas de áudios que vão auxiliar os criadores de conteúdo em seus projetos na rede social.

Em entrevista ao Platformer, Zuckerberg disse que estas novas propostas vieram do sucesso da implementação ocorrida no ano passado das salas de conversa no Messenger. “Acho que as áreas em que estou mais animado com isso no Facebook são basicamente o grande número de comunidades e grupos que existem. Acho que você já tem essas comunidades organizadas em torno de interesses, e permitir que as pessoas se reúnam e tenham salas onde possam conversar é — acho que seria uma coisa muito útil”.

Para quem gosta de podcasts 

Segundo a empresa, nos próximos meses já será possível ouvir os seus podcasts favoritos a partir do aplicativo do Facebook, incluindo se ele estiver em segundo plano. Como são mais de 170 milhões de pessoas conectadas a centenas de milhares de páginas de podcast no Facebook, e mais de 35 milhões de membros em grupos de fãs (dados informados pela própria empresa no comunicado) faz sentido apresentar uma função que pudesse aproximar ainda mais o consumidores do seu produto preferido.

Esta nova aposta surge junto com o projeto “Boombox”, conforme revelado pelo Techcrunch. Ele é uma parceria entre Facebook e Spotify e vai possibilitar aos usuários ouvir músicas ou listas de reproduções compartilhadas na plataforma sem estar vinculado externamente ao aplicativo ou site do Spotify. Pode ser um bom caminho para que músicos independentes possam apresentar seus trabalhos.

Interface do recurso para ouvir podcast. Imagem: Facebook/Divulgação

Concorrente do Clubhouse

Desde o início de fevereiro já haviam indícios de que Zuckerberg já estava preparando sua nova versão do aplicativo que virou mania no começo do ano. Foi dito e feito. Eis que agora surge o Live Audio Rooms. Não muito diferente de seu concorrente, especialmente em sua interface e pelo mesmo objetivo de criar salas de discussões ao vivo sobre variados temas, a funcionalidade vai começar a ser testada em grupos e páginas de figuras públicas, prometendo alcançar cerca de 1,8 bilhão de usuários mensais. Dentre os primeiros a utilizar este recurso estão o quarterback de futebol americano Russell Wilson, a artista de música eletrônica indicada ao Grammy TOKiMONSTA e o grupo OctoNation – The Largest Octopus Fan Club! que agrega diversas pessoas defensoras dos polvos e outros moluscos. Ele também vai estar disponível no Messenger.

Assim como no Youtube, onde você pode apoiar financeiramente um canal , o Live Audio Rooms também vai oferecer esta estratégia como oportunidade de monetização. Ela vai funcionar por meio da chamada estrela. Para cada estrela recebida de seu “fã”, o Facebook pagará US$ 0,01 para o criador (algo totalmente discutível). E, entrando em uma área certamente mais polêmica, também vai ser possível cobrar pelo acesso a sala de discussão, seja por meio de uma compra única ou por um sistema de assinatura.

Interface da função de salas de discussão, parecido com o Clubhouse. Imagem: Facebook/Divulgação.

Para áudios criativos

Este é um dos tópicos citados na descrição do novo recurso Soundbites, que vai permitir a criação de áudios curtos, como uma espécie de TiktTok sem vídeo, como forma de divulgação de informações, piadas, poemas e outros materiais. Assim como a novidade acima, ele vai começar a ser testado nos próximos meses, e já apresenta sua lista de influencers e criadores de conteúdo que vão passar o feedback da aplicação do seu conceito. Um deles é o comediante americano Drew Lynch, que possui mais de 2 milhões de seguidores em seu perfil no Facebook. Pelas indicações, ele se parece muito com o Voice Tweet, a função de gravar áudios da rede social do passarinho azul.

Interface do Soundbite. Imagem: Facebook/Divulgação.

No comunicado, o Facebook afirma que para incrementar os materiais que serão gravados a partir do aplicativo, serão dispostas coleções de sons para serem usados como trilha sonora de fundo, dependendo da proposta do áudio. Além disso, no caso do Soundbites, estarão disponíveis efeitos sonoros e de voz, além de filtros para aqueles que planejam apostar em áudios humorísticos. Também terá uma ferramenta para que você possa cortar e disponibilizar uma parte específica de um áudio ou podcast como forma de divulgação.

Assine a newsletter do Gizmodo

Para tornar a experiência mais acessível, a função de legendas está implementada. Um detalhe bem interessante: ela estará visível mesmo com a tela do seu celular bloqueada. Ou seja, vai facilitar se você estiver no transporte público sem fones de ouvido.

[Techcrunch]