Depois de passar os últimos anos canalizando bilhões de dólares para a Irlanda como uma forma de aproveitar os impostos relativamente baixos do país, parece que o Facebook está de mudança.

O Sunday Times foi o primeiro a identificar um novo documento registrado no Irish Companies Registration Office que mostra que o Facebook havia começado a dissolver três de suas holdings com sede na Irlanda. Elas eram amplamente utilizadas para manter as propriedades intelectuais globais do Facebook e licencia-las para outras empresas internacionais do Facebook por uma determinada taxa.

Depois de descobrir o que a gigante da tecnologia estava fazendo, o IRS, órgão dos EUA responsável por cobrar impostos, processou o Facebook em 2016 como parte de uma investigação sobre as práticas contábeis potencialmente duvidosas da empresa.

Em fevereiro deste ano, a agência moveu outro processo, alegando que, desde que a empresa começou a transferir suas propriedades intelectuais para subsidiárias irlandesas em 2010, o Facebook evitou pagar mais de US$ 9 bilhões em impostos.

Embora o Facebook ainda não tenha respondido ao pedido de comentário do Gizmodo, um porta-voz disse ao The Times que levar suas propriedades intelectuais da Irlanda de volta para os Estados Unidos “alinha melhor a estrutura corporativa com um local onde esperamos ter a maioria de nossas atividades e pessoas”, e que “acreditamos que é consistente com as mudanças recentes e futuras na legislação tributária que os formuladores de políticas estão defendendo em todo o mundo”.

Além de irritar os cobradores de impostos, o Facebook está enfrentando atualmente um amplo processo antitruste do Departamento de Justiça e de vários procuradores-gerais estaduais. A ação busca separar as várias propriedades da gigante das redes sociais, como o Instagram e o WhatsApp.