Dezenas de sites e serviços ficaram fora do ar no início da noite desta sexta-feira (17) devido a problemas com o serviço DNS do Cloudflare, provocando especulações desenfreadas sobre a causa. Afinal, um ataque de negação de serviço global se encaixaria totalmente na narrativa esquisita de 2020.

A interrupção, que começou por volta das 18h (horário de Brasília), derrubou sites e serviços populares como Discord, Feedly e League of Legends por aproximdamente meia hora na sexta-feira. Depois que as conexões foram restauradas, o Cloudflare divulgou um relatório de incidente informando que o problema “não foi resultado de um ataque” e que “foi identificado e uma correção está sendo implementada”.



Acontece que a explicação real não é nada tão nefasta. Segundo a empresa, a instabilidade foi causada por causa de um roteador de baixa qualidade em Atlanta, Georgia (EUA).

“Parece que um roteador em Atlanta teve um erro que causou rotas ruins em nosso backbone. Isso resultou em tráfego incorreto para PoPs (Point of Presence) que se conectam ao nosso backbone”, tuitou o CEO do Cloudflare, Matthew Prince, na sexta-feira. “Isolamos o roteador de Atlanta e desligamos nosso backbone, roteando o tráfego para outros provedores. Houve algum congestionamento que causou desempenho lento em alguns links à medida que havia tentativa de login. Tudo está restaurado agora e estamos analisando o que causou este problema”.

De acordo com o relatório do incidente, esse problema com o serviço DNS 1.1.1.1 do Cloudflare impactou seus datacenters internacionalmente, de Frankfurt a Paris e Schiphol, além de vários outros nas principais cidades dos EUA, incluindo Los Angeles, Chicago, Seattle, Atlanta e San Jose. Relatórios do Downdetector, que aponta instabilidade de serviços e plataformas,  mostraram que as interrupções pareciam estar concentradas nos EUA e no norte da Europa, porém havia também ocorrências no Brasil.

Um DNS, ou Domain Name System (Sistema de Nomes de Domínio), serve como um elo que conecta o nome de domínio que você usa para localizar um site (como gizmodo.com.br) e o endereço IP correspondente, que determina a localização específica do site na web.

O serviço funciona essencialmente como uma lista telefônica digital para a internet, e não há como chegar em um site sem este sistema — independentemente de os servidores de um site estarem funcionando ou não. Alguns provedores de internet contam com seu próprio serviço de DNS, mas alternativas como Google e Cloudflare, que lançou sua versão em 2018, são mais comumente usados.

Não é de se admirar que a maioria das pessoas pensasse imediatamente que hackers mal-intencionados poderiam ter sido a causa, dada a invasão do Twitter desta semana. Este tipo de ocorrência sempre traz esse tipo de teoria. Embora a falha no sistema do Cloudflare possa não ser uma explicação tão emocionante, pelo menos gerou alguns memes bons.