Como no Brasil, todo smartphone antes de ser lançado nos EUA deve ser certificado pelo órgão local de telecomunicações, a FCC (Comissão Federal de Comunicações). Lá, como aqui, são registradas publicamente informações sobre novos dispositivos. O último caso do tipo tem relação com a Motorola — mais especificamente, os detalhes do Moto G7 Play, o mais simples da série G de dispositivos da companhia.

A Motorola diz que tem o primeiro smartphone 5G, e isso só é possível com um módulo à parte

O jeitão dele lembra um pouco o do Motorola One, com suas bordas arredondadas. E, sim, ele também tem o recorte na tela para abrigar a câmera frontal e um pequeno alto-falante. O aparelho deverá estar disponível em duas opções de cores. Além disso, ele provavelmente virá com leitor de digital na traseira, USB-C, entrada para fone de ouvido convencional, slot MicroSD, apenas uma câmera traseira (diferente do seu antecessor Moto G6), uma frontal e uma bateria de 2.820 mAh (o G6 Play tem 4.000 mAh).

Crédito: FCC

O modelo é chamado de XT1952 no documento da FCC sobre a certificação. O chip é o Qualcomm Snapdragon 632 com oito núcleos de 1,8 GHz, construído em uma arquitetura de 14 nm. É uma ótima novidade, quando comparado com o chip de seu antecessor Moto G6 Play, que vinha equipado com Snapdragon 430.

Nos EUA, aparelhos da linha G custam cerca de US$ 200. Por aqui, o Moto G6 Play chegou custando R$ 1.099. Se rolar como neste ano, o Moto G7 Play deve estrear no Brasil, junto com seus irmãos (G7 e G7 Plus) em abril e, quem sabe, com um preço mais camarada.

[FCC via Ars Technica]