A Multilaser confirmou nesta terça-feira (27) que vai comercializar fones de ouvido da Sony no Brasil, se tornando, assim, a representante oficial da marca japonesa nessa categoria de acessório. Todos os produtos serão importados e, neste primeiro momento, mais de 20 fones estão confirmados para o mercado brasileiro.

Embora modelos de entrada estejam inclusos no catálogo de lançamentos da Multilaser, a companhia vai se focar em fones premium. Muito provavelmente entre eles está a segunda geração do excelente WF-1000XM4, pioneiro nos fones de ouvido totalmente sem fio com função de cancelamento ativo de ruído. Acredito que o WH-1000XM4, segunda versão de outro ótimo fone com ANC, também está nessa lista.

De acordo com a Multilaser, “toda a linha de Fones da Fabricante japonesa que hoje contam mais de 20 modelos ano seu portfólio” estarão à venda nos mais de 40 mil pontos da distribuidora no Brasil, incluindo sua loja conceito no Shopping Paulista, em São Paulo. Preços não foram revelados no comunicado de imprensa, mas os valores devem variar entre R$ 50 e R$ 2.700, segundo o Estadão. Haverá versões in-ear e com coletividade Bluetooth.

“Nos últimos dois anos o mercado de fones de ouvido praticamente dobrou no Brasil. Isso acontece pois nunca se escutou tanta música como hoje, além da realidade de home office que se tornou comum em praticamente todo o mundo”, disse Ana Malerbi, gerente de marketing da Sony América Latina.

Sony não vende mais fones e outros eletrônicos no Brasil

Talvez você não se lembre, mas, em março de 2021, a Sony fechou oficialmente sua fábrica em Manaus (AM), responsável pela montagem de TVs, aparelhos de som e câmeras no Brasil. A instalação estava na ativa há 48 anos. Todos esses produtos deixaram de ser fabricados e vendidos no País, e o que ainda pode ser encontrado corresponde ao que restou dos estoques. O anúncio de que a Sony encerraria a fábrica veio em setembro. Pouco tempo depois, em dezembro, a Mondial confirmou ter comprado a instalação.

Assine a newsletter do Gizmodo

Os únicos eletrônicos que não foram afetados pela decisão da Sony foram os consoles PlayStation, que continuam sendo vendidos por aqui — apesar de tanto o PS4 quanto PS5 não terem fabricação local.