Civilization V foi lançado ontem e vai comer horas e horas das vidas de muita gente. Mas o que mudou? Vale a pena conquistar o mundo mais uma vez, levando os Zulus Comunistas para o Espaço? Juntamos aqui versões em português do que alguns grandes sites do mundo disseram em suas avaliações da última cria de Sid Meier.

PC GAMER:
"Os gráficos podem ser superficiais em um jogo como este, mas é preciso ser dito que Civ V é sem dúvidas o jogo de estratégia por turnos mais bonito já feito. O estilo artístico das paisagens virgens aleatoriamente geradas que você encontra no início de uma partida são como pinturas, como se Monet encontrasse o Google Maps, com cores brilhantes e uma incrível atenção aos detalhes. Dar zoom em um espaço com o recurso "fur" (peles de animais) mostra um par de raposas brincando. Gado, ovelhas, cavalos e elefantes passeiam em seus respectivos espaços, indicando os recursos de comida, montaria e marfim, e nos oceanos hipnoticamente brilhantes, vemos baleias emergindo e cardumes de peixes nadando sob a superfície. É o mais lindo e vivo tabuleiro virtual que você já viu."



The Escapist:
"Também é provavelmente o mais acessivel Civilization até hoje, e isso tem a ver com a apresentação excelente da sua interface. Claramente inspirada por Revolutions, a interface alerta o jogador sobre as informações mais relevantes, mas de modo bastante não intrusivo. Não há pop-ups chatos, em vez disso os eventos são listados à direita da tela, acima do botão "Próximo Turno". A lista fica meio lotada quando acontecem grandes eventos mais para o fim do jogo (como quando uma civilização declara guerra contra a sua e todo mundo resolve entrar na briga), e o tempo entre as rodadas é um pouco maior do que eu gostaria, mas é fácil ignorar estas pequenas coisas agora que eu não deixo mais a minha capital ficar construindo nada por alguns turnos.

(…)

A maior mudança, claro, é o uso de hexágonos em vez de quadrados. Depois das primeiras rodadas, eu mal notava a diferença. Os hexágonos funcionam bem, e o seu cérebro se adapta rapidamente.

O efeito que os hexágonos têm no combate é bem menor do que o fato das unidades não mais se acumularem em Civ V. Isso mudou drasticamente o combate, e para melhor. Lutar usando unidades variadas distribuídas pelo campo não é apenas uma boa ideia, é praticamente necessário se você quer ser bem sucedido. Você considera se vai flanquear com a cavalaria e esperar para fazer um ataque frontal com os soldados até que tenha um grupo de arqueiros bem posicionados para dar suporte. E isso é sensacional."

Eurogamer:
"(…) a IA em Civ V ainda é curiosamente terrível. No seu nível mais inteligente, ela ainda faz exigências inexplicáveis de você. Ela vai recusar as suas exigências, mesmo se você tiver uma horda apocalíptica ao redor das suas fronteiras. Ela vai declarar guerra a você, jogar uma dúzia de exércitos contra as suas defesas, então oferecer tudo o que tem por um acordo de paz. Estes não são oponentes que deixem boas memórias. Civ V ocasionalmente consegue promover disputas entre nações de força equivalente, mas estas são imperdoavelmente raras. Se você quiser adversários de respeito, vai ter que jogar online."

Game Informer:
"O multiplayer é funcional, mas o único modo em que eu sugiro a você gastar seu tempo é o jogo cooperativo contra a IA. Por vários motivos, o design de Civ V não se presta muito bem a disputas humano contra humano. Dito isso, eu não encontrei nenhum problema técnico que evitasse que o jogo com amigos fosse agradável."

Wired:
"Em um mar de shooters com trilhas sonoras pulsantes e jogabilidade frenética, Civilization V é um dos únicos jogos a desafiar a mente dos jogadores – a obrigá-los a sentar e analisar metodicamente uma situação. Se Halo: Reach é o céu na Terra para quem curte ação, Civilization V é o paraíso dos pensadores."