Arqueólogos em Leeds, na Inglaterra, descobriram mais de 600 garrafas de cerveja no local de uma antiga cervejaria do período vitoriano. Empilhadas ordenadamente sob uma escada da adega, a cerveja dentro dessas garrafas do século XIX contém concentrações perigosas de chumbo.

As garrafas foram encontradas sob os restos do que costumava ser o Scarborough Castle Inn, no porão da antiga Tetley Brewery, relata o The Drinks Business.

Os Serviços Arqueológicos WYAS estão investigando essa parte de Leeds enquanto os desenvolvedores se preparam para a construção de um bairro residencial, de acordo com o Yorkshire Evening Post. A cervejaria Tetley remonta ao período vitoriano, mas o local em si remonta à era medieval da Inglaterra.

O local da escavação no centro de Leeds. Imagem: Serviços Arqueológicos WYAS

As garrafas, encontradas em fevereiro, provavelmente datam da década de 1880, disse David Williams, gerente sênior de projetos dos Serviços Arqueológicos WYAS, ao The Drinks Business. Uma variedade de marcas foi identificada na pilha de garrafas, mas a maioria foi identificada como “JE Richardson of Leeds”.

Muitas das garrafas ainda continham líquido, que os arqueólogos assumiram inicialmente ser ginger beer (uma espécie de bebida fermentada feita de suco de gengibre), segundo a página do grupo no Facebook. Amostras do líquido foram enviadas à West Yorkshire Joint Services para análise.

“Lembra das garrafas que encontramos? Bem, o resultado da análise saiu!”, o grupo de arqueologia escreveu em uma postagem no Facebook em 20 de março de 2020.

O líquido não era ginger beer, como se supunha, mas cerveja de verdade. E perturbadoramente, verificou-se que a cerveja continha altos níveis de chumbo.

O teste encontrou um pH de 5,07 (indicando acidez), um teor de álcool de 3% (que cerveja leve!) e “nenhum vestígio de metal pesado, com exceção de chumbo!”, de acordo com o grupo. A concentração de chumbo foi medida em 0,13 mg/l, muito acima do nível máximo aceitável de 0,01 mg/l estabelecido pela Organização Mundial da Saúde.

“Esta cerveja teria sido prejudicial à saúde”, escreveu o grupo nas mídias sociais. “Suspeitamos que isso seja resultado da água proveniente dos canos de chumbo”.

E essa água, é claro, foi usada para fazer a cerveja. Os canos de chumbo foram certamente usados ​​na Inglaterra durante a era vitoriana (e também nos Estados Unidos), mas foi nessa época que as pessoas finalmente começaram a perceber os perigos do excesso de chumbo na água potável.

As garrafas descobertas por arqueólogos. Imagem: Serviços Arqueológicos WYAS

Altas concentrações de chumbo podem introduzir uma variedade de problemas de saúde, que podem variar dependendo da idade. O Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA afirma que o consumo excessivo de chumbo em crianças pode levar a problemas comportamentais e de aprendizado, menor QI, hiperatividade, crescimento lento e anemia. Nos adultos, pode levar a problemas cardiovasculares, rins enfraquecidos e problemas de fertilidade em mulheres e homens. É especialmente perigoso para mulheres grávidas, pois o chumbo pode afetar o desenvolvimento do feto e causar partos prematuros, de acordo com o CDC.

Quanto às centenas de garrafas descobertas no local, o desenvolvedor do futuro bairro as exibirá no local da antiga Tetley’s Brewery, relata o The Drinks Business.