Várias grandes empresas de tecnologia anunciaram nesta semana que continuarão pagando aos funcionários horistas que trabalham em seus escritórios em funções como alimentação, segurança e limpeza, mesmo quando um número crescente de gigantes da tecnologia pede que seus funcionários em período integral trabalhem de casa para conter o novo surto de coronavírus.

De acordo com o Verge, Microsoft, Facebook, Apple, Amazon, Google e Twitter confirmaram que continuarão dando a seus funcionários horistas seu salário regular. Isso é importante, considerando que muitos desses funcionários podem ter seu trabalho afetado porque as grandes empresas de tecnologia solicitaram que seus empregados em período integral trabalhassem de casa, o que poderia levar à redução do horário de trabalho e da necessidade de pessoal.

A Microsoft anunciou publicamente essas medidas em um blog post assinado por seu presidente, Brad Smith.

“Reconhecemos as dificuldades que o trabalho perdido pode significar para os funcionários horistas”, escreveu Smith. “Como resultado, decidimos que a Microsoft continuará pagando a todos os nossos fornecedores de serviços por hora seu pagamento regular durante esse período de necessidades de serviço reduzidas. Isso independe da necessidade de seus serviços completos”.

Como exemplo, Smith disse que na região de Puget Sound, no estado de Washington, os 4.500 funcionários que trabalham em suas instalações continuariam recebendo seus salários regulares, mesmo que essas horas de trabalho fossem reduzidas. A Microsoft está incentivando seus funcionários da sede em Seattle e em San Francisco a trabalhar em casa até 25 de março.

Em comunicado ao TechCrunch, o Facebook disse que estava trabalhando em estreita colaboração com seus fornecedores para garantir a saúde e a segurança de sua equipe.

“O Facebook pagará trabalhadores contingentes que não podem trabalhar devido a requisitos reduzidos de pessoal durante o trabalho voluntário em casa, quando fechamos um escritório, quando escolhemos enviar um funcionários para casa ou quando estão doentes”, disse a porta-voz da empresa Chloe Meyere ao site.

Na última semana, o Facebook notificou seus 5.000 funcionários na área de Seattle que um funcionário terceirizado de um de seus escritórios havia sido diagnosticado com COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus. A empresa está incentivando todos os funcionários da área a trabalhar em casa pelo resto do mês.

Enquanto isso, a Amazon disse em um comunicado ao Axios que continuaria a pagar aproximadamente 10 mil funcionários horistas que trabalham nos escritórios em Seattle e Bellevue. A companhia também teve um funcionário que testou positivo para o COVID-19 em seus escritórios em Seattle e recomenda que os funcionários de lá, assim como os da área da Baía de San Francisco, que possam trabalhar em casa e o façam até o final do mês.

“Continuaremos a pagar todos os funcionários horistas dos nossos campus em Seattle e Bellevue — de serviços de alimentação a guardas de segurança e funcionários de zeladoria — durante o período em que nossos funcionários forem solicitados a trabalhar em casa”, disse a Amazon.

A Amazon acrescentou que subsidiaria um mês de aluguel para pequenas empresas locais que operam em seus edifícios para apoiá-las durante esse período.

A mudança das grandes tecnologias é importante e deve ser imitada por todas as empresas que podem pagar. Houve muitas perguntas e preocupações sobre se os funcionários horistas nos EUA iriam trabalhar, mesmo que apresentassem sintomas de COVID-19, não porque quisessem trabalhar, mas simplesmente porque não podiam se dar ao luxo de não trabalhar.

Não há garantia de que os funcionários serão remunerados se apresentarem sintomas do COVID-19 e forem solicitados a ficar em casa. O New York Times observa que a lei federal exige que os trabalhadores horistas sejam pagos apenas pelo tempo que trabalham. Enquanto isso, trabalhadores assalariados, gerentes e executivos geralmente serão pagos, mas nem sempre, durante uma interrupção nos negócios.

“Entendemos que o que é acessível para um grande empregador pode não ser acessível para uma pequena empresa”, disse o presidente da Microsoft no blog da companhia. “Mas acreditamos que grandes empregadores, que podem se dar ao luxo de dar esse tipo de passo, devem considerar fazê-lo”.

Eles deveriam, de fato. Esta não é de forma alguma uma solução perfeita, mas é um começo. Nesse ponto, precisamos garantir que as pessoas tenham a segurança financeira de que precisam para passar um dia doente se não se sentirem bem — pelo bem de todos nós. No entanto, é triste que tenhamos que esperar algo como o novo surto de coronavírus para começar a considerar e ajudar aqueles que literalmente não podem se dar ao luxo de perder o trabalho, mesmo em meio a uma crise de saúde global.