A humanidade, com toda a sua arrogância, pensou que tinha dominado um inimigo imortal: o golpe das chamadas pré-gravadas. Infelizmente, graças a preguiça das operadoras móveis, os robôs telefonistas estão se vingando nos últimos anos. Sistemas automatizados de ligação via internet está facilitando e barateando ligações em massa. Ah, e eles agora possuem novos truques como a utilização de números falsos ou familiares.

• WhatsApp está estudando formas de te livrar de spams e correntes chatas
• Ataque que faz caixas eletrônicos cuspirem dinheiro começa a se espalhar pelos EUA

A agência americana Federal Trade Commission (FTC) anunciou nesta semana que acredita que os golpistas estão direcionando as ligações para pessoas que imigraram recentemente para os Estados Unidos, principalmente pessoas que vieram da China ou que possuem sobrenomes chineses. De acordo com um comunicado da FTC à imprensa, pessoas de todo o país relataram ter recebido ligações que pediam que elas pegassem pacotes ou oferecessem dados para pessoas que diziam ser na equipe do consulado chinês – era solicitado também algumas informações financeiras:

O que está acontecendo agora: pessoas de todo o país relataram ter recebido uma ligação ou mensagem que afirmava que era preciso pegar um pacote no escritório do Consulado Chinês. Ou que elas precisavam fornecer algumas informações para evitar problemas com o Consulado Chinês. O autor da chamada pede pelas informações do banco ou do cartão de crédito ou diz para que a vítima faça uma transferência bancária.

Não está totalmente claro se os golpistas estão utilizando chamadas pré-gravadas, chamadas convencionais, ou uma combinação dos dois. Como a FTC aponta, os golpistas mudam de tática rapidamente. O mais importante é o alerta de nunca passar nenhum dado pessoal incluindo informações sobre banco, cartão de crédito ou de segurança pessoal para qualquer pessoa que ligue para você do nada. Uma maneira de se confirmar que está falando com alguma autoridade é retornar a ligação depois da primeira chamada.

De acordo com o Departamento de Polícia de Nova York, desde dezembro mais de 20 imigrantes chineses perderam uma quantia incrível de US$ 2,5 milhões para esse golpe. Geralmente é muito difícil recuperar o dinheiro uma vez que tenha sido transferida das contas originais.

Os investigadores dizem que aparentemente os golpistas operam fora da China, com base nos números de telefone e registros de contas bancárias. Alguns até se deram ao trabalho de falsificar mandados de prisão com o que pareciam ser fotos copiadas de passaportes para atrair as vítimas. Golpes similares já foram relatados no Canadá, Nova Zelândia e Austrália, segundo o Verge.

De acordo com a NBC, algumas estimativas apontam que foram feitas pelo menos 30 milhões de chamadas pré-gravadas nos Estados Unidos em 2017. Com alguns relatórios da FTC com números recordes de reclamações, parece que algumas operadoras estão finalmente levando o assunto a sério. Em 2015, a FTC determinou que serviços de bloqueio para chamadas pré-gravadas eram legais desde que se pedisse a autorização do consumidor para ativar as ofertas. Em novembro de 2017, o órgão “deu a operadoras autoridade específica para bloquear chamadas pré-gravadas vindas de números falsificados, incluindo de números não registrados e números inválidos que não deveriam realizar ligações”.

Aaron Foss, fundador da empresa anti-spam Nomorobo, disse à NBC que sua base de dados mostra que até 45% das chamadas são feitas por robôs telefonistas, mas que ele está otimista que em 2018 será o ano em que “muitas operadoras passarão a integrar tecnologia de bloqueio de tais chamadas em seus produtos”.

No meio tempo, as pessoas podem tentar bloquear números e ativar serviços (às vezes pagos) das operadoras. Uma outra solução é baixar aplicativos de terceiros que se encarrega da tarefa. Se a pessoa continua recebendo ligações, vale a pena realizar uma reclamação formal na FTC ou na FFC (no Brasil, o órgão a se recorrer é a Anatel) – embora pareça pouco efetivo, é assim que as agências poderão agir contra os golpistas.

[The Verge]

Imagem do topo: Pixabay