A empresa controladora do Google, a Alphabet, anunciou, na última sexta-feira (1), que seus aplicativos irão deletar o histórico de localização para pessoas que forem a clínicas de aborto nos EUA. O anúncio vem após a Suprema Corte dos Estados Unidos derrubar o direito ao aborto legal no país.

Em comunicado, o vice presidente de experiências e sistemas, Jen Fitzpatrick, contou que a exclusão será imediata. “Estamos anunciando que, se nossos sistemas identificarem que alguém visitou um desses lugares, excluiremos as entradas de histórico de localização logo após a visita.”

A decisão se estenderá também para centros de aconselhamento, abrigos para violência doméstica, centros de fertilidade, instalações de tratamento de dependências, clínicas de perda de peso, clínicas de cirurgia estética, e outros.

O anúncio pode ser uma maneira de proteger a privacidade e evitar que esses os dados de localização sejam utilizados pelas autoridades em um momento de incerteza nos Estados Unidos. Enquanto vários estados dos EUA aproveitam o momento para criar penalizações para pessoas que abortem, a situação permanece indefinida em boa parte do país.

Segundo Jen Fitzpatrick anunciou, também no comunicado, essas novas práticas do Google já vão começar a valer nas próximas semanas.