Em outubro do ano passado, o Google havia anunciado que planejava implementar algumas mudanças nas extensões do Chrome. Uma dessas alterações incluía limitar bloqueadores de propaganda. Os desenvolvedores que trabalham nessa área obviamente não ficaram muito satisfeitos, ameaçando inclusive tomar providências legais.

Apesar do descontentamento, parece que o Google manteve sua decisão e esclareceu alguns pontos de como será essa mudança. Segundo a empresa, o projeto, chamado Manifest V3, tem como objetivo oferecer mais privacidade e segurança aos usuários, além de melhorar a performance das extensões. Mas, para isso, a gigante de tecnologia vai limitar como essas extensões poderão examinar os sites.



Simeon Vincent, funcionário do Google, argumentou que o atual sistema de instalação de extensões permite que os desenvolvedores declarem que precisam acessar uma série de informações e o usuário deve escolher entre permitir esses acessos ou cancelar a instalação. Com a mudança, o usuário terá maior controle sobre essas permissões.

O Google ainda revelou que considera abrir uma exceção em relação a essas mudanças para usuários corporativos.

De acordo com o ZDNet, a mudança do API webRequest vai impedir que os adblockers interceptem requisitos da rede para modificar, redirecionar ou bloquear requisitos API. Assim, ele seria reduzido a uma função “observacional”, tornando-se uma ferramenta de interações passivas em vez de ativas.

Desenvolvedores de extensões como uBlock e Ghostery insistem que a mudança será extremamente prejudicial aos bloqueadores e até mesmo para os usuários. Eles ainda acusam o Google de utilizar o discurso de que se preocupam com a privacidade dos usuários para justificar ações que garantem a dominação do mercado pela empresa.