A maioria dos Chromebooks possui especificações básicas para um laptop; afinal, eles não precisam de muito para rodar um navegador como sistema operacional. Mas nem todos os modelos são fraquinhos em processamento – o Pixelbook, produzido pelo próprio Google, por exemplo, tem alguns componentes de ponta.

• O Acer Chromebook Spin 13 é um dos laptops mais “redondos” com Chrome OS
• Sete aplicativos do Android que realmente funcionam direito nos Chromebooks

E para esses casos, ter a opção de rodar Windows não seria nada mal, né? Aparentemente, essa é a ideia do Google. O pessoal do XDA-Developers descobriu que a companhia tem trabalhado para adicionar um “modo de sistema alternativo” – ou dual-boot – no Pixelbook, chamada de “Campfire”.

Neste momento, a companhia está tentando certificar o seu hardware junto à Microsoft para permitir que o notebook rode oficialmente o Windows. Referências ao Kit de Certificação de Hardware do Windows já apareceram nas versões de desenvolvimento do Chrome OS.

Existe uma expectativa para que outros Chromebooks também possam utilizar o Windows 10 como alternativa, mas por enquanto a funcionalidade está restrita ao Pixelbook. Instalar o sistema da Microsoft exigirá mais espaço de armazenamento, então é improvável que os modelos super básicos, com 16 GB de espaço, possam aproveitar o Campfire.

De acordo com o XDA-Developers, o código-fonte do sistema sugere que os notebooks precisarão ter pelo menos 40 GB de armazenamento livre. O Windows come 30 GB do espaço, enquanto o Chrome OS utiliza 10 GB.

Não há previsão de lançamento do Campfire, mas como bem lembra o Verge, o Google deve realizar um evento de hardware em outubro.

[The Verge, XDA-Developers]