A E3 não é um evento apenas sobre jogos há um tempo. Embora os videogames ainda sejam certamente o foco, empresas como a AMD nos lembram que onde nós jogamos às vezes é crucial para o que jogamos. Nesta semana, a empresa anunciou toda uma linha de CPUs e GPUs para tornar a experiência com jogos melhor, e o que todos eles tinham em comum? Eles contam com um processador de 7nm.

Você sabe o quão radical 7nm é? Você sabe o que é 7nm? Na verdade, você sabe o que é nm? (É a abreviação de nanômetro.) Fabricantes de processadores como Apple, Qualcomm e Intel têm falado muito sobre nanômetros nos últimos anos. Os nanômetros referem-se especificamente ao comprimento da porta dos transistores. Quanto menor o comprimento da porta, mais transistores você pode encaixar no componente. À medida que a capacidade de reduzir o comprimento da porta anualmente, além de obter um aumento de desempenho e eficiência energética, tornou-se mais difícil, cada nanômetro passou a contar. Por isso, a Apple fala sobre o CPU de 7nm no iPhone XS, e a Intel fala muito sobre as partes de 10nm em sua 10ª geração de CPUs. E a AMD fala sobre 7nm em suas novas CPUs e GPUs. A empresa tem prometido há um tempo levar 7nm para desktops e laptops que usamos diariamente, e com o Zen 2 e o RDNA, ela está cumprindo essa promessa.

Vale lembrar que esta não é a primeira vez que a AMD lançou um componente de 7nm. Em janeiro, a empresa anunciou a Radeon VII, uma GPU de 7nm baseada na arquitetura mais antiga do Vega. Os novos modelos 5700 e 5700XT são baseados na nova arquitetura RDNA, que também será lançada nos consoles PlayStation e Xbox, previstos para o ano que vem. (Embora muitos fabricantes e observadores usem RDNA e Navi como sinônimos, a AMD disse que prefere que as pessoas usem Navi ao falar de GPUs específicas e RDNA ao falar sobre a arquitetura geral.) Mas ao falar do 5700s, a AMD ainda passou muito tempo falando sobre o 7nm, porque, pelo menos a partir das comparações que a empresa fez, essa coisa é realmente rápida.

Crédito: Alex Cranz/Gizmodo

A AMD cita a mudança para 7nm como uma das principais razões pelas quais as placas 5700s deveriam, teoricamente, usar menos energia para obter um desempenho melhor do que seus concorrentes da Nvidia. Em slides comparando desempenho, a RX5700XT de US$ 450 foi comparada à Nvidia RTX 2070 de US$ 600, e a RX5700 de US$ 380 foi comparada à RTX 2060 de US$ 350. Notavelmente, as GPUs da AMD não apresentam ray tracing (tecnologia que tenta determinar o caminho dos fótons de luz em ambientes virtuais para que esses ambientes pareçam mais realistas). As da Nvidia, sim.

Imagem: AMD

De acordo com a AMD, o RX5700XT tem metade do tamanho da Vega 64 da última geração, e tem um desempenho global 14% melhor, além de usar 25% menos energia. Simon Ng, um dos gerentes de projeto do RDNA, me disse que o desempenho era de 1,5 vezes melhor por watt.

E os slides que a AMD apresentou para descrever seu desempenho em comparação com seu rival 2070 sugerem que ele é impressionantemente rápido. O mesmo pode ser dito para o RX5700 em relação ao 2060.

O RX 5700, em particular, parece ser uma compra melhor do que o seu rival, com um melhor desempenho de dois dígitos em quatro dos dez jogos testados e melhorias de um dígito nos outros seis. Sendo que todos custam apenas US$ 30 a mais. Se você pode sobreviver sem o suporte de ray tracing, o RTX 2060 é razoável, e o RX 5700 parece ser um bom negócio. O RX 5700XT também é um bom negócio se você considerar que seu desempenho está no mesmo nível do RTX 2070, mas custa US$ 150 a menos.

A AMD também detalhou alguns recursos adicionais que devem chegar à linha 5700, apesar de fazer algumas piadas com referências à Nvidia, que adora fazer um longo discurso ao anunciar novos componentes.

Há o Fidelity FX, a resposta da AMD para o DLSS da Nvidia. O DLSS usa redes neurais e aprendizado profundo para melhorar o desempenho e os gráficos das GPUs baseadas em Turing da Nvidia. O Fidelity FX deve melhorar o desempenho e os gráficos em linhas semelhantes, mas sendo um conjunto de ferramentas de código aberto disponível para qualquer pessoa.

Outra ferramenta para melhorar os gráficos é o Radeon Image Sharpening (RIS). O RIS permitirá que os programadores tenham imagens mais nítidas em segundo plano. O ideal é que as coisas pareçam mais nítidas e menos compactas do que em muitos jogos atuais. O RIS é essencialmente um “shader” (programa de processamento gráfico para trabalhar luz e cores) de pós-processamento superleve. Normalmente, esse shader seria comprometedor, mas, de acordo com a AMD, a ativação do RIS criará uma desaceleração mínima. Em média, isso deve significar uma queda de desempenho de menos de 2% contra jogar o mesmo jogo com o RIS desativado.

Finalmente, há o Radeon Anti-Lag (RAL). O RAL destina-se a reduzir o atraso resultante de uma GPU que processa o que está na tela. Em uma demonstração de Borderlands 3 , a AMD mostrou uma melhora de cerca de 15 milissegundos com o RAL ativado. 15 ms é o período de tempo que um único quadro está na tela. Então, essa é uma melhoria de 1fps (ou um quadro por segundo). Evidentemente, isso não é necessário para a maioria de nós, mas crucial para os jogadores que participam de competições e que precisam de todo quadro que conseguirem.

Novos processadores Ryzen

Na segunda-feira (10), a AMD também falou sobre a terceira geração de processadores Ryzen que havia anunciado na Computex em maio. A terceira geração de CPUs Ryzen pode confundi-lo um pouco, porque eles são baseados em uma nova arquitetura chamada Zen 2 – que não é a segunda geração do Zen, mas a terceira.

Cinco processadores foram anunciados na Computex, custando de US$ 200 a US$ 500. Esses produtos podem ser comparados aos processadores i9, i7 e i5 da série K da Intel, embora os produtos da Intel tenham um preço mais alto, geralmente em torno de US$ 100 a mais.

Naturalmente, a AMD afirma que seus processadores são muito mais rápidos do que os da Intel, além de usarem menos energia. A empresa alega que o 3900X tem um desempenho single thread 14% melhor do que o i9-9920X da Intel e e um desempenho multithread 6% melhor, exigindo apenas 105W de potência enquanto o i9-9920X exige 165W. Isso ocorre porque o Zen 2, como o RDNA, é baseado em um processador de 7nm. O que significa que os dados precisam de menos energia para se mover a uma distância menor do que o processador de 14 nm que as CPUs de desktop atuais usam.

Isso também acontece porque a AMD dobrou o tamanho do cache L3. Isso é bom porque o cache L3 é onde os dados mais cruciais e imediatos são armazenados e que o processador precisa ler. Uma vez cheio, os dados são enviados para a RAM. A leitura de dados da RAM é rápida, mas não tão rápida quanto no cache L3. O cache menor da segunda geração de processadores Ryzen levou a um desempenho lento do núcleo único e um atraso geral no trabalho intensivo de memória cache L3, como os videogames. Ao dobrar o cache, a AMD espera poder superar a Intel, que tradicionalmente tem um desempenho muito melhor nos jogos.

Os novos processadores Ryzen estarão disponíveis em 7 de julho de 2019. O único que não será lançado no próximo mês é o Ryzen 9 3950X, que deve ser chegar em setembro de 2019. Essa parte foi anunciada na segunda-feira (10) pela AMD. É outro CPU de 105W. A diferença é que, em vez de 12 núcleos e 24 threads – o mais encontrado em uma CPU de desktop destinada a jogos, a 3950X possui 16 núcleos e 32 threads. A Intel não tem nada parecido disponível desse tamanho ou requisito de energia.

E esse é o ponto. Como você vai perceber nos slides acima, ou mesmo pelas próprias afirmações da AMD, ela nem sempre ganha de todos concorrentes em relação ao núcleo ou unidade de computação. Intel e Nvidia foram dominantes nos campos de CPU e GPU, respectivamente, porque elas fazem componentes muito bons. A vantagem da AMD é que ela pode fornecer aos usuários muito mais energia bruta a um preço muito mais baixo. O Ryzen 3950X é a prova disso.

Mas, como vimos repetidamente ao revisar os produtos da AMD, não se trata apenas da potência bruta. Relacionamentos com fabricantes de software são importantes. A Nvidia e a Intel têm melhor suporte e, pelo menos no mercado de PC, maior adoção. Portanto, é de se esperar ouvir mais da AMD sobre seus parceiros no mundo de software e hardware. E especialmente, espere ouvir mais sobre como ela está em quase toda a próxima geração de consoles.