Rumores dizem que Opeyemi Enoch, professor da Universidade Federal em Oye Ekiti (Nigéria), resolveu a Hipótese de Riemann, um problema que vem intrigando matemáticos há mais de 150 anos. Pena que não é verdade.

Segundo a BBC, Telegraph, Yahoo! News e muitos outros veículos, o professor nigeriano diz ter resolvido o problema, tornando-o elegível para um prêmio de US$ 1 milhão.

O problema, postulado pelo matemático alemão Bernard Riemann em 1859, envolve a distribuição média de números primos. Este é um dos sete Problemas do Milênio em Matemática, um concurso gerido pelo Clay Mathematics Institute (CMI) – quem resolver um deles ganha o prêmio.

Números primos só são divisíveis por 1 e por si mesmos. A sequência desses números – 2, 3, 5, 7, 11, 13, 17, 19… – não parece seguir uma ordem lógica. Basicamente, a hipótese de Riemann diz que existe uma regra capaz de dizer quantos primos existem até certo número.

Parece simples, mas não é. E isto pode ter implicações profundas: em 1972, o físico Freeman Dyson (das esferas de Dyson) percebeu uma coincidência entre a fórmula de Riemann e uma fórmula na teoria do caos.

Enoch disse à BBC que ficou motivado a resolver o problema depois de ter sido incentivado por seus alunos, e não teve nenhuma motivação financeira para tanto. Ele ainda não divulgou publicamente a solução.

Um porta-voz do CMI diz ao Telegraph que, “devido às nossas regras, o instituto não comenta sobre soluções para os Problemas do Milênio”. O site oficial do CMI diz que a hipótese de Riemann ainda não foi resolvida:

2015-11-17

No blog Aperiodical, os matemáticos Katie Steckles e Christian Lawson-Perfect expressam seu ceticismo, dizendo que a Hipótese de Riemann seguramente não foi resolvida. Eles escrevem:

Infelizmente, parece que neste caso não temos uma prova real da hipótese de Riemann… há um artigo no academia.edu sob o nome de Enoch, que na verdade é uma cópia de um artigo de outra pessoa chamada Werner Raab… Estranhamente, Enoch parece estar reunindo vários estudos sobre a Hipótese de Riemann no site academia.edu sob seu próprio nome.

A “prova” dele foi apresentada nesta conferência acadêmica legítima (sim, a URL é “computer-conference-site.com”), que parece ter acontecido – embora as fotos não mostrem a quantidade de pessoas que você esperaria de algo com esta magnitude. Aqui está o resumo da conferência (a apresentação de Enoch é “Uma matriz que gera o ponto espectral da função zeta de Riemann”).

Steckles e Lawson-Perfect dizem que a Hipótese de Riemann não foi resolvida, mas que o método supostamente usado por Enoch é o mesmo de pesquisadores mais bem-estabelecidos.

A universidade onde ele leciona emitiu esta declaração:

O Dr. Enoch primeiro investigou e, em seguida, estabeleceu as reivindicações de Riemann. Ele considerou e corrigiu os equívocos que foram comunicados por matemáticos nas gerações passadas, abrindo assim caminho para estabelecer suas soluções e provas.

Ele também mostrou como outros problemas desse tipo podem ser formulados e obteve a matriz que Hilbert e Poly previram que daria estas soluções não-descobertas. Ele revelou como essas soluções são aplicáveis ​​em criptografia, ciência da informação quântica e em computadores quânticos.

De fato, um dos maiores impactos da hipótese de Riemann seria na criptografia. A maioria desses sistemas dependem de números primos, e talvez pudessem gerar valores ainda maiores para aumentar a proteção.

Mas é triste que Enoch tenha feito isso, porque há vários nigerianos por aí com credenciais acadêmicas legítimas. Por exemplo, como lembra o Quartz, “Ufot Ekong emergiu em maio como o melhor aluno de graduação da Universidade de Tokai no Japão, quebrando um recorde de 50 anos no processo”.

Foto por Let Ideas Compete/Flickr