Houve 332.198 roubos nos EUA no ano passado, de acordo com o FBI, mas (provavelmente) apenas um deles envolveu um homem tentando roubar um nome de domínio à força. Agora, o homem responsável pelo exemplo bizarro de sequestro de domínio passará 20 anos na prisão.

Sherman Hopkins Jr., 43 anos, é de Cedar Rapids, no estado do Iowa, e tentou tomar controle do site DoItForState.com, invadindo o apartamento do detentor do domínio e o ameaçando sob a mira de uma arma até que ele transferisse o site. De acordo com o Departamento de Justiça dos EUA, Hopkins se declarou culpado de uma acusação de interferência e tentativa de interferência no comércio com ameaças e violência.

• Casal que aplicou golpe de US$ 1,2 mi na Amazon é condenado a quase seis anos de prisão
• Polícia diz que homem arrecadou US$ 14 mil no GoFundMe por cãozinho que ele mesmo machucou

Para entender o que Hopkins buscava, é importante entender exatamente o que o domínio representa. O DoItForState.com é o site para o Do It For State, e o Do It For State é uma daquelas coisas que existe em um canto específico da internet. Nesse caso, é da variedade “universitários fazendo coisas lamentáveis ​​online”. Uma espécie de spin-off das páginas de confissões universitárias em que as pessoas anonimamente admitem fazer merda, o Do It For State surgiu da Universidade Estadual de Iowa e documenta os acontecimentos em campi universitários em todo os Estados Unidos, com vídeos e fotos enviados por usuários. O conteúdo varia de sexo explícito a “chugging” de cerveja — basicamente, tudo o que os pais temem que os filhos possam estar fazendo —, e a frase “faça pela estadual” é muitas vezes o chamado à ação, como uma versão universitária de gritar “Worldstar“.

A tentativa de sequestro de domínio em pessoa ocorreu em 21 de junho de 2017, quando Hopkins invadiu a casa de Ethan Deyo, de 26 anos — o proprietário do DoItForState.com (vale a pena apontar que, no momento da invasão domiciliar, não havia nenhum site hospedado no domínio. Segundo o Motherboard, o site foi removido um mês antes do assalto e, atualmente, ainda não retorna uma página web).

De acordo com o Departamento de Justiça, Hopkins entrou na casa com um chapéu e uma meia-calça na cabeça e óculos escuros cobrindo os olhos. Deyo, que estava no andar de cima na hora, ouviu Hopkins entrar e o viu, com a arma na mão, no primeiro andar da casa. Deyo se trancou em um quarto, mas Hopkins chutou a porta e agarrou Deyo pelo braço.

Pelo resto do tempo em que Hopkins esteve na casa, de acordo com o Gabinete do Procurador-Geral dos EUA, ele aterrorizou e atacou Deyo, arrastando-o para seu computador e exigindo que ele logasse em seu computador e jogasse seu smartphone para que não pudesse pedir ajuda. Hopkins apontou a arma para a cabeça de Deyo, entregou-lhe um pedaço de papel com instruções sobre como transferir um nome de domínio de uma conta da GoDaddy para outra e exigiu que ele seguisse as instruções fornecidas.

Deyo obedeceu o pedido, trabalhando coagido no processo de transferência de domínio. Em determinado momento, ele pediu a Hopkins um endereço postal e um número de telefone — informações exigidas pela GoDaddy para completar a transferência —, e Hopkins respondeu acertando a cabeça de Deyo com uma pistola várias vezes. Hopkins, em seguida, tirou um taser que trouxe consigo e deu vários choques em Deyo no braço, nas costas e no pescoço.

Hopkins continuou seu ataque contra Deyo, acertando-o várias vezes antes de engatilhar sua arma. Deyo, temendo por sua vida, conseguiu derrubar a arma de Hopkins. Enquanto os dois lutavam pelo controle da arma, Deyo foi baleado na perna. Ele, por fim, pegou a arma e atirou em Hopkins no peito várias vezes antes de chamar a polícia.

Hopkins inicialmente enfrentou acusações de sequestro, uso de arma de fogo durante um crime de violência e posse de arma de fogo por um criminoso (ele foi condenado por cometer perjúrio em 2006). Ele se declarou culpado de duas acusações menores e estará atrás das grades pelos próximos 20 anos.

[Department of Justice, Motherboard]

Imagem do topo: Getty