Hong Kong pode ser forçada a jogar fora milhões de doses expiradas da vacina Pfizer-BioNTech contra a Covid-19 nos próximos três meses, de acordo com um membro da força-tarefa contra o coronavírus de Hong Kong.

A cidade chinesa garantiu doses de vacina suficientes para sua população de 7,5 milhões de habitantes, tanto com a vacina da Pfizer quanto com a Sinovac da China, mas ainda tem dificuldades com as baixas taxas de vacinação.

“Temos apenas uma janela de talvez três meses para vacinar com Pfizer”, disse Thomas Tsang, membro da força-tarefa de coronavírus de Hong Kong, ao programa de rádio pública local Hong Kong Today nesta terça-feira (25).

Tsang observou que menos de 20% da população de Hong Kong recebeu pelo menos uma dose, devido em grande parte às taxas relativamente baixas de infecção na região. As pessoas simplesmente não acham que precisam tomar a vacina se não houver Covid-19 se espalhando amplamente na comunidade. Outro problema relatado é a hesitação na vacinação porque as pessoas acreditam que podem esperar para ver se quem já tomou a dose terá efeitos colaterais, algo que tem obtido muita cobertura na mídia de Hong Kong.

“A falsa concepção sobre segurança é bastante infeliz”, disse Tsang, referindo-se a histórias da mídia sobre os graves efeitos colaterais das vacinas contra o coronavírus, algo incrivelmente raro.

Até mesmo os profissionais da saúde em Hong Kong não estão sendo vacinados em taxas suficientes, como observa a AFP (agência de notícia chinesa) , com apenas cerca de um terço dos médicos e enfermeiras recebendo as vacinas.

“Temos muita sorte de não termos um surto de Covid-19 no momento”, disse Tsang. “Mas a linha do tempo em Cingapura nos ensina que podemos ter problemas com bastante facilidade.”

Cingapura tem visto um aumento de novos casos que as autoridades de saúde não foram capazes de rastrear adequadamente até uma fonte conhecida. Cingapura e Hong Kong foram forçados a cancelar uma chamada bolha de viagens devido às infecções recentes em Cingapura.

Ironicamente, os países que se saíram relativamente bem durante o primeiro ano da pandemia são agora áreas que estão lutando para vacinar seu povo. E isso torna essas mesmas regiões vulneráveis ​​a novos surtos, já que a doença ainda assola grande parte do mundo.

A Austrália, por exemplo, tem visto uma tremenda hesitação na vacinação, resultado tanto de baixas taxas de infecção quanto de uma implementação de vacina malfeita pelo governo australiano. A Austrália relatou 29,9 mil casos de Covid-19 e 910 mortes desde o início da pandemia, mas administrou apenas 3,6 milhões de doses da vacina para sua população de aproximadamente 25 milhões de pessoas.

Assine a newsletter do Gizmodo

O país está começando a perceber como isso poderia resultar em números ruins para o restante de 2021. O estado australiano de Victoria introduziu novas restrições contra a doença na terça-feira (25), depois que quatro novos casos foram descobertos na cidade de Melbourne. Um sobe e desce no número de casos depois que a cidade optou por reduzir o regime de restrições. Agora os australianos começaram a se acostumar com surtos que vêm e vão.

O membro da força-tarefa chinesa ressalta que vários países buscam por vacinas e que se a cidade perder essas doses agora, “pode ser muito mais difícil depois, já que o mundo inteiro está lutando por vacinas”, acrescentou Tsang.