Anunciado nesta quinta-feira (19), o Huawei Mate 30 chamou a atenção não só pelas suas câmeras, especificações ou falta de botões de volume. Também ganhou destaque o fato de que o aparelho vem sem componentes de software dos serviços do Google, apesar de rodar Android 10. Isso se deve à proibição de negócios entre empresas dos EUA e a Huawei. Mas, caso essa medida deixe de existir, os aparelhos ganham acesso aos recursos no dia seguinte, disse o CEO da empresa chinesa, Richard Yu.

Em entrevista depois do lançamento, Yu foi questionado se haveria a possibilidade de colocar uma atualização over the air (isto é, distribuída pela internet e baixada pelo próprio celular) para acrescentar os componentes do Google. O executivo respondeu que sim e foi bastante enfático: ele diz que em uma noite, tudo estaria disponível.

Android sem Google

O sistema Android é de código aberto e faz parte do Android Open Source Project (AOSP), mas os componentes do Google não fazem parte desse projeto.

O Google não cobrava para licenciar seus componentes de software, mas exigia uma certificação das empresas para que elas pudessem usá-los. Segundo uma matéria do Guardian publicada em 2014, os valores para essa certificação ficavam entre US$ 40 mil e US$ 75 mil.

Depois de um processo antitruste movido pela União Europeia em 2018, o Google foi multado em US$ 5 bilhões e passou a cobrar uma tarifa por aparelho das fabricantes no continente.

Por isso, o Huawei Mate 30 não vem com aplicativos do Google e nem mesmo a Google Play Store, o Google Play Services e o Google Mobile Services. No lugar, ele tem uma loja de aplicativos da própria Huawei, a App Gallery. Mesmo assim, ele roda Android 10 e conta com a interface própria da marca, a EMUI.

O Huawei Mate 30 também aceita arquivos APK de aplicativos para o Android, mas aí começa o problema: alguns precisam do Play Services e do Mobile Services. É o caso do YouTube, por exemplo. Mesmo instalando uma APK, o pessoal do Pocket-lint não conseguiu fazer esse e outros apps do Google funcionar. Outros apps, como o WhatsApp, por exemplo, funcionam bem.

Huawei, China e EUA

A Huawei está proibida de fazer negócios com empresas dos EUA desde maio, quando o presidente Donald Trump assinou uma ordem executiva que incluiu a companhia chinesa à chamada Lista de Entidades do Departamento de Indústria e Segurança (BIS, na sigla em inglês).

Esse foi a atitude mais drástica depois de anos de tensões. A Huawei foi acusada de fornecer equipamentos não confiáveis de telecomunicações e, por isso, proibida de fazer negócios com agentes do governo norte-americano.

Além disso, a empresa foi processada pelos EUA por roubo de segredos comerciais, fraudes e obstrução de justiça. Ela processou de volta, alegando que a proibição de negócios era inconstitucional sem o devido processo legal.

Outro ponto marcante da tensão foi em dezembro de 2018, quando a diretora financeira da empresa, Meng Wanzhou, foi presa no Canadá a mando dos EUA, sob acusação de violar sanções econômicas contra o Irã. Ela aguarda um processo de extradição para os EUA. Meng Wanzhou é filha de Ren Zhengfei, fundador da Huawei.

Vale lembrar que China e EUA está em meio a uma guerra comercial desde 2018, com tarifas sobre importações sendo aplicadas.

[Android Authority, Pocket-lint]