Qualquer pessoa que tenha o mínimo de familiaridade com a anatomia humana sabe que, ao contrário da maioria dos mamíferos, não temos osso no pênis. Por décadas os cientistas se perguntaram “Por quê?”. E um estudo publicado na revista Proceedings of the Royal Society talvez tenha encontrado a resposta para o mistério: o que deve ter matado o osso do pênis foi a monogamia.

• Cirurgiões fazem primeiro transplante bem sucedido de pênis nos Estados Unidos
• Caso perca o original, você pode ter um novo pênis feito com a sua coxa

Para explicar como isso aconteceu, preciso expor alguns fatos chave sobre o báculo – esse é o nome científico para o osso do pênis. Ossos do pênis possuem diferentes formatos e tamanhos entre diversos mamíferos. O báculo de uma morsa tem 60 centímetros. Num chimpanzé-pigmeu, são oito milímetros. Nesse novo estudo, os cientistas quiseram traçar a história evolutiva do báculo para explicar essas grandes diferenças no comprimento do osso do pênis entre os animais.

E o estudo descobriu uma “clara [relação] entre o comprimento do osso e a promiscuidade da espécie: espécies mais promiscuas possuem um báculo maior”, como aponta a revista The Economist.

Kit Opie, pesquisadora pós-doutorada da University College London que liderou o estudo, disse ao The Guardian que o comprimento do osso do pênis é maior em machos que se envolviam com “intromissões prolongadas” – quando as espécies demoram mais de três minutos para acasalar. Os machos usam a “intromissão prolongada” para manter as fêmeas longe dos rivais, enquanto ele a engravida. Matilda Brindle, co-autora do estudo, explica assim ao The Conversation:

Longe de ser simplesmente uma ótima maneira de passar uma tarde, uma intromissão prolongada como essa é uma forma dos machos prevenirem que a fêmea dê uma escapada e acasale com outro, antes que seu esperma tenha a chance de fazer a magia acontecer.

A teoria dos cientistas agora é de que os humanos tenham perdido o osso do pênis quando a monogamia de tornou predominante, há cerca de 1,9 milhão de anos. Não existia mais a necessidade de manter a competição longe e ficar transando por um período muito longo. Afinal, “a duração média da penetração até a ejaculação para os homens é de menos de dois minutos“, como Brindle nos lembra. Contudo, apesar das lamúria dos corações solitários, os machos humanos simplesmente não possuem uma competição sexual intensa porque as fêmeas humanas tendem a acasalar com um macho por vez.

E é por isso que os homens não possuem um osso no pênis.

[The Guardian, The Economist, The Conversation]

Imagem: osso do pênis de cachorro / Wikimedia Commons.