Cientistas que estudam o novo coronavírus que infectou dezenas de milhares de pessoas na China publicaram uma imagem de resolução atômica da proteína que o vírus usa para obter acesso às células. Essa façanha, realizada com o uso do método ganhador do Prêmio Nobel, poderia ajudar no desenvolvimento de tratamentos ou vacinas.

O novo coronavírus (oficialmente chamado SARS-CoV-2 – a doença causada por esse vírus é chamada COVID-19) infectou mais de 75.000 pessoas e matou pelo menos 2.000 desde que surgiu no final do ano passado. Como parte de um esforço para curar os pacientes e impedir a propagação do vírus, os cientistas criaram imagens detalhadas usando a técnica de crio-EM, ganhadora do Prêmio Nobel. Especificamente, eles tiveram como alvo a glicoproteína do pico do vírus (S) usada para obter entrada nas células-alvo; Esperamos que a compreensão da estrutura permita aos pesquisadores desenvolver tratamentos rapidamente.

Os cientistas publicaram o genoma do vírus há apenas algumas semanas e, usando esses dados, outra equipe, liderada por Daniel Wrapp na Universidade do Texas, Austin, criou e purificou as proteínas S. A proteína S procura um receptor no hospedeiro e depois se liga e funde à célula alvo; sua importância para o processo de transmissão significa que a proteína S pode ser um bom alvo para tratamentos ou vacinas.

A equipe usou a microscopia crioeletrônica, também chamada cryo-EM, para criar uma imagem da estrutura da proteína S. O Cryo-EM é um processo pelo qual os cientistas congelam rapidamente uma molécula no local e a bombardeiam com elétrons para criar mais de 3.000 projeções bidimensionais do vírus. Em seguida, eles combinaram as imagens para criar uma reconstrução 3D da proteína, publicada hoje na Science.

A estrutura da proteína S do SARS-CoV-2 se parece muito com a do SARS-CoV, o vírus que adoeceu 8.098 pessoas em 2003 e, de fato, ambos os vírus se ligam ao mesmo receptor nas células hospedeiras, chamado enzima de conversão da angiotensina 2 ou ACE2. No entanto, a análise inicial dos pesquisadores demonstrou que a proteína S do novo coronavírus tem uma afinidade muito maior por esse receptor, o que talvez seja a razão pela qual o novo vírus se espalhou tão facilmente, embora isso seja apenas uma hipótese. A equipe também relatou que os anticorpos destinados a se ligar à proteína SARS-CoV S não se ligavam à proteína S do novo coronavírus, o que significa que os anticorpos destinados a combater o SARS-CoV provavelmente têm problemas para reconhecer o novo coronavírus.

Felizmente, escrevem os pesquisadores, o conhecimento da proteína S do SARS-CoV-2 até o nível atômico contribuirá para a engenharia de proteínas que podem parar o vírus.