Marte não apenas abriga o maior vulcão do Sistema Solar: o planeta também possui o maior cânion. Conhecido como Valles Marineris, o desfiladeiro se estende por mais de 4 mil quilômetros na região equatorial do planeta vermelho, tem 200 quilômetros de largura e 10 quilômetros de profundidade.

Para se ter uma ideia da grandiosidade dessas medidas, a extensão dele corresponde a quase um quarto da circunferência do planeta. Além disso, em comparação ao Grand Canyon, que é a maior formação do tipo aqui na Terra, o Valles Marineris é dez vezes maior em extensão e três vezes mais profundo.

Crédito: NASA/JPL/University of Arizona

Pesquisadores da Universidade do Arizona, em Tucson, têm utilizado uma câmera de alta resolução, chamada HiRISE (High Resolution Imaging Science Experiment), a bordo da sonda Mars Reconnaissance Orbiter para registrar imagens do cânion desde 2006.

Um dos grandes mistérios é em relação a como esse gigante desfiladeiro se formou. No caso do Grand Canyon, por exemplo, sabe-se que ele resultou de bilhões de anos de erosão causada pelas águas do Rio Colorado. Marte, no entanto, é um planeta quente e seco demais para ter abrigado um rio grande o suficiente para esculpir o Valles Marineris.

Crédito: NASA/JPL/University of Arizona

De acordo com pesquisadores da Agência Espacial Europeia (ESA), evidências sugerem que grande parte do cânion surgiu após a erupção de um grupo de vulcões em uma região próxima, conhecida como Tharsis. É nessa mesma região em que se localiza o maior vulcão do Sistema Solar, o Olympus Mons. Em outras partes do vale também foram encontrados minerais contendo água, o que indica um possível fluxo de água nessa área no passado.

[Live Science, ESA]