Há três dias, ficamos sabendo que Linus Torvalds, o pai do Linux, ficou bem bravo com a Intel que informou que ainda venderia chips com as falhas Spectre e Meltdown. A fabricante de chip, preocupada com a opinião de Linus (ou não), resolveu se pronunciar sobre o caso e as notícias parecem minimamente promissoras.

Como um rapaz de 22 anos descobriu sozinho uma das piores falhas de segurança da história
Intel prepara nova correção para falhas em CPUs após primeira fazer máquinas reinicializarem

Durante divulgação dos resultados financeiros da Intel, o CEO Brian Krzanich informou que vai lançar linhas de processadores ainda neste ano já com soluções nativas para as falhas Meltdown e Spectre. Com a palavra, o CEO da Intel:

“Nosso foco é em entregar as melhores correções possíveis para proteger a infraestrutura dos consumidores dessas ameaças. Estamos trabalhando para criar mudanças no silício [componente feito para desenvolver chips] em nossos futuros produtos, que vão corrigir diretamente as falhas Meltdown e Spectre no hardware. E estes produtos vão ser lançados ainda neste ano.”

Krzanich, porém, não revelou quando estes novos processadores vão ser lançados. Além disso, a declaração dele levanta algumas dúvidas. Ele falou em consertar as falhas Meltdown e Spectre a nível de hardware, porém, como pontua a PCWorld, é bem provável que isso só ocorra com a falha Meltdown — para corrigir a Spectre em nível de hardware é necessário fazer mudanças de design no processador.

O Meltdown permite que um usuário mal-intencionado acesse a memória entre o sistema operacional e os programas que rodam nele. Já o Spectre é uma falha interna que possibilita que outras aplicações acessem arbitrariamente setores da memória.

Várias companhias já liberaram correções de software para os problemas e a própria Intel também disponibilizou patches de segurança. O único problema é que em alguns casos as máquinas atualizadas começaram a reinicializar automaticamente — o que levou a empresa a pedir para as pessoas pararam de atualizar seus computadores e de que liberaria uma nova versão em breve.

Outra questão é sobre o quanto que essas mudanças de hardware prometidas podem ou não afetar o desempenho desses processadores. Já é sabido que os maiores problemas de lentidão ocorreram em servidores, enquanto em desktops a diferença de desempenho foi pouco sentida.

Apesar de toda a polêmica, a Intel reportou um crescimento de 4% ano a ano no quarto trimestre, atingindo receitas na casa dos US$ 17 bilhões.

[Engadget e PCWorld]

Foto do topo por Alex Cranz/Gizmodo