A Apple irritou muitas autoridades ao anunciar que o iOS 12 incluirá uma ferramenta projetada para se esquivar de tentativas de quebrar a criptografia do iPhone. Mas o sistema operacional terá também um recurso que provavelmente vai agradar a polícia: a transmissão automática de dados de localização quando o usuário discar 911, o número de emergências nos EUA.

A transição de tecnologia de linhas de telefonia fixa para smartphones resultou em praticidade. Agora, muito mais gente tem como ligar para a polícia em uma situação de emergência, independentemente do lugar onde esteja. Por outro lado, isso sacrificou a capacidade de rastrear com precisão a localização de quem está ligando. A Apple está dando um grande passo nesse sentido.

A RapidSOS é uma empresa que vem trabalhando em parceria com companhias de tecnologia e call centers da polícia. O objetivo é desenvolver uma integração melhor com serviços de localização em situações de emergência.

Nesta segunda-feira (18), a Apple anunciou que usará “o canal de dados da RapidSOS, baseada em IP, para compartilhar a HELO de maneira rápida e segura com os centros de atendimento da polícia, melhorando o tempo de resposta quando vidas e propriedades estão em risco”.

A HELO (sigla para Hybridized Emergency Location — localização de emergência hibridizada, em tradução livre) usa torres de celular, GPS e equipamentos de Wi-Fi para precisar a localização do usuário. Quando quem liga não dá detalhes de onde está, os atendentes do 911 frequentemente precisam se basear apenas em dados das torres de telefonia. Infelizmente, eles dão somente um posicionamento geral.

A RapidSOS disse ao Wall Street Journal que os dados das operadoras conseguem dar uma localização ampla, com um raio de cerca de 160 metros (522 pés). A Apple não informa as estimativas exatas da precisão da HELO. No entanto, a companhia destaca que as diretrizes da FCC (órgão norte-americano equivalente à Anatel) vão exigir, em 2021, que as empresas de telecomunicações consigam localizar quem está ligando em um raio de 50 metros durante pelo menos 80% do tempo. A empresa de Cupertino diz que já consegue “superar” esses objetivos hoje.

As centrais de atendimento terão que integrar seus sistemas à plataforma, também. Até o momento, não se sabe quantas já têm suporte ao HELO. Como Apple, Uber e Google estão trabalhando para fornecer dados mais precisos, há bastante incentivo para que estejam todos atualizados.

E isso é só o primeiro passo. A RapidSOS disse ao MIT News, em 2015, que o próximo objetivo é integrar serviços de chamadas de vídeo, como o Facetime, com o sistema de comunicação do 911. Assim, quem liga poderia estar em contato visual imediato com os atendentes de emergência.

A Apple também fez questão de destacar que a medida não terá nenhum impacto em sua reputação de proteger a privacidade dos usuários. “Os dados não podem ser usados para nenhum objetivo não emergencial. Além disso, apenas a central do 911 contatada terá acesso à localização do usuário durante a ligação de emergência”, diz o comunicado.

[Apple via VentureBeat]

Imagem do topo: Apple