Uma mulher de Wisconsin, nos Estados Unidos, e a empresa de seguros State Farm estão processando a Apple e pedindo indenização de US$ 75 mil (R$ 235 mil na cotação atual), afirmando que a empresa vendeu uma unidade “defeituosa” do iPhone 4S que gerou um incêndio em sua casa.

• As entranhas da versão alternativa do Galaxy Note 7 revelam bateria menor e mais segura
• Carregadores falsos da Apple são ainda mais perigosos do que pensávamos

Xai Thao e a State Farm afirmam que “o projeto, fabricação e venda do iPhone criaram uma condição perigosa, insegura e defeituosa, que já existia quando o iPhone deixou as mãos da Apple”. O processo afirma que o incidente aconteceu no dia 1º de abril de 2016, mas foi arquivado no tribunal distrital dos Estados Unidos.

Smartphones (todos os eletrônicos, na verdade) podem entrar em combustão se forem equipados com uma bateria de íon-lítio defeituosa ou instalada incorretamente. Foi o caso do Galaxy Note 7 da Samsung.

Você não ouve sobre iPhone explosivos sempre, mas já existiram alguns casos. Os iPhones geralmente pegam fogo quando são carregados com cabos defeituosos, fabricados por terceiros ou quando consumidores trocam a bateria sem ajuda profissional e com peças não autorizadas.

Os autores alegam no processo que a bateria do tal iPhone nunca foi trocada, mas não diz se Thao chegou a utilizar um carregador falso ou um carregador portátil.

“Investigações preliminares mostram evidências de um evento de aquecimento significante e localizado na área da bateria do iPhone”, afirma o processo. “Não haviam outras fontes potenciais de fogo na área de origem do incêndio”.

[Apple Insider via MacRumors]

Imagem do topo: Gizmodo