A distribuidora de filmes independentes e de arte Kino Lorber anunciou uma nova iniciativa esta semana. A ideia é exibir os filmes para o público e, ao mesmo tempo, ajudar os cinemas a se sustentarem financeiramente enquanto ficam fechado por causa do coronavírus — assim, todo mundo ganha. Chamado de programa Kino Marquee, a iniciativa usa a plataforma de vídeo sob demanda da empresa, a Kino Now, para criar sessões virtuais em colaboração com os cinemas participantes.

“É claro que queríamos encontrar uma maneira de manter nossos lançamentos, mas também queríamos fazer isso de uma maneira que também beneficiasse nossas salas parceiras”, disse Wendy Lidell, vice-presidente sênior de distribuição em cinemas da Kino Lorber, em uma declaração à imprensa. “Queremos ajudar a garantir que esses cinemas possam reabrir suas portas depois que a crise passar.”

As salas de cinema em todo o mundo estão fechando por causa da pandemia do novo coronavírus. É compreensível, já que, com as limitações de reuniões públicas, quarentenas obrigatórias e ampla adoção de práticas de distanciamento social, muitas sessões ficariam vazias. Vários estúdios importantes, como Disney e Universal, resolveram parcialmente metade do problema, levando seus filmes a serviços de streaming ou adiando lançamentos em salas. Mesmo assim, analistas preveem que as receitas de bilheteria reduzidas podem totalizar uma perda de US$ 5 bilhões para a indústria.

Eis como funciona. Primeiro, você compra seu “ingresso” virtual para uma sessão de cinema na página do Kino Marquee. Depois, você recebe um link para uma “sala” de exibição online no Kino Now. Este link só pode ser acessado por titulares de ingressos. Cada ingresso vale por cinco dias.

Interface do Kino Marquee. O ingresso é comprado em um cinema específico. O serviço não está disponível no Brasil.

Os próprios cinemas lidam com todos os esforços promocionais para divulgar essas exibições, e o desempenho online determina o tempo em cartaz de cada filme. A receita da venda de ingressos é dividida com o distribuidor. Em resumo, é uma simulação de ir ao cinema sem ter que ir fisicamente ao cinema (e possivelmente espalhar ou pegar um vírus mortal).

Embora a Kino Lorber tenha dito originalmente que pretendia ampliar esse programa “em resposta à demanda do mercado” nas próximas semanas, uma série de respostas positivas parece estar acelerando significativamente esse cronograma.

Treze cinemas assinaram o projeto quando ele foi lançado na quinta-feira, todos comprometidos em exibir virtualmente o mais novo lançamento da empresa nos EUA, o brasileiro Bacurau. Desde então, esse número subiu para 50 cinemas participantes em mais de vinte de estados americanos — você pode encontrar a lista completa aqui.

No momento, a Kino Lorber disse que não tem uma data de término prevista para o programa. Enquanto os cinemas permanecerem fechados devido à pandemia, a empresa planeja continuar exibindo seus lançamentos e títulos de catálogo atualmente programados através deste programa online.

É um modelo que eu gostaria que ganhasse o apoio de mais distribuidoras, especialmente para pessoas que não querem ou não podem assinar uma tonelada de serviços de streaming apenas para ver alguns novos lançamentos enquanto estão em quarentena.