O controverso líder da igreja Shincheonji da Coreia do Sul deve enfrentar acusações de assassinato pelo papel da religião na disseminação do vírus causador do COVID-19 no país, que tem mais de 4 mil casos de infecção confirmados.

Autoridades alegam que a igreja Shincheonji está no centro da disseminação do vírus que se espalhou pela Coreia do Sul, em parte devido a sua natureza secreta e às tentativas de seus membros de ocultar sua afiliação.

De acordo com o New York Times, o líder Lee Man-hee disse na semana passada aos seguidores da seita que a epidemia foi resultado do “mal que ficou com ciúmes do rápido crescimento da Shincheonji”, e os membros se recusaram a cooperar com as autoridades que administram os testes para o vírus.

Vários meios de comunicação relataram que a igreja — cujos críticos costumam a descrever como uma seita — é tão secreta que um funcionário da área de saúde do governo de Daegu que supervisionou a resposta ao COVID-19 não revelou que ele próprio era membro da Shincheonji até ter um resultado positivo para a doença.

Após mais de 24 mortes relacionadas ao coronavírus na Coreia do Sul e uma rápida disseminação de milhares de casos confirmados, a Reuters informou que as autoridades de Seul estão buscando uma investigação sobre Lee e 12 outros indivíduos sob acusações criminais de assassinato e violação de lei de controle de doenças.

Segundo a agência de notícias, o prefeito de Seoul, Park Won-soon, alega que as mortes relacionadas ao vírus poderiam ter sido evitadas se o alto-escalão da igreja aderisse a protocolos preventivos.

Apesar da preparação avançada da Coreia do Sul para conter a disseminação do coronavírus, a recusa de Shincheonji em tomar medidas preventivas, juntamente com sua crença bizarra de que a doença é um pecado, se manifesta nas pessoas que participam de seus rituais mesmo quando já têm sintomas. Para piorar, os cultos são feitos em locais apertados, onde os membros precisam se sentar juntos e acabam se infectando.

Citando ex-membros da igreja, o Wall Street Journal informa que é dito aos fiéis que eles viverão para sempre, e dizem que os seguidores de Shincheonji acreditam que Lee representa a segunda vinda de Jesus Cristo e é o único intérprete dos códigos secretos contidos no Livro do Apocalipse.

Lee, 88, pediu desculpas pelo surto da doença em uma coletiva de imprensa na qual ele se curvou por duas vezes e falou por 25 minutos. Segundo o WSJ, Lee disse que a seita “prometeu cooperar ativamente com o governo e enviará a lista completa de membros”, apesar de anteriormente ter se recusado a fazer isso. O jornal norte-americano informou que mais de 1 milhão de sul-coreanos assinaram uma petição formal pedindo que a seita fosse dissolvida.

Em um comunicado, Park disse que os promotores ligados à investigação “deveriam investigar e punir os principais líderes da igreja Shincheonji, responsáveis pela recente disseminação do vírus mortal, de maneira rápida e severa”.