O Stratolaunch é o maior avião do mundo em envergadura de asas. Ele foi idealizado pelo bilionário do Vale do Silício e cofundador da Microsoft Paul Allen, falecido ano passado. A aeronave finalmente decolou neste sábado (13) para um voo inaugural de duas horas e meia.

O Stratolaunch pesa 226 toneladas. Muito disso se deve ao seu design de fuselagem dupla e aos seus seis motores a jato de 747. Ele ostenta uma envergadura de asas sem precedentes, de 117 metros, batendo até mesmo o Spruce Goose de Howard Hughes. Ele atingiu uma velocidade máxima de voo de 304 quilômetros por hora durante seu voo matutino no sábado, após decolar do Mojave Air and Space Port, na Califórnia.


Stratolaunch, o maior avião do mundo em envergadura de asas, voando próximo ao Mojave Air Space Port em 13 de abril de 2019. Foto: Matt Hartman/AP

A Scaled Composites, subsidiária da Northrop Grumman, construiu o avião. Ele foi anunciado pela primeira vez em 2011 e permaneceu em solo muito além da primeira data prevista para testes, que era em 2016. Segundo a CNN, não se sabe qual foi o custo do projeto. O que se sabe é que ele é feito de material de fibra de carbono em vez de alumínio. Os custos foram reduzidos usando componentes originalmente projetados para o 747, como os motores Pratt & Whitney e suas 28 rodas.

Mas, afinal, qual a necessidade de um avião desses? Apenas alguns poucos aviões de fuselagem dupla foram desenvolvidos nas últimas décadas.

A resposta é voo espacial. A embarcação é projetada para carregar até três foguetes a aproximadamente 35 mil pés no ar, onde eles podem ser lançados a ar a um custo menor e com menos sobrecarga do que em uma plataforma de lançamento tradicional. Este método também economiza combustível e minimiza as complicações do mau tempo, pois o avião pode simplesmente sobrevoar os sistemas de tempestade.

Embora a Northrop Grumman já está planejando usar o Stratolaunch para lançar foguetes Pegasus XL, outras empresas privadas, a NASA e as forças armadas norte-americanas expressaram interesse no projeto.

Allen morreu no ano passado de complicações relacionadas a um linfoma não-Hodgkin. Mesmo assim, o projeto continuou em seu ritmo.

“Nós finalmente conseguimos”, disse Jean Floyd, CEO da Stratolaunch Systems, a repórteres, segundo a CNN. “Foi um momento emocionante para ver esse pássaro levantar voo. […] Eu imaginava esse momento há anos, mas nunca imaginei que Paul não estaria ao meu lado.”

“Na maior parte do tempo, o avião voou como previsto”, disse à CNN o piloto de testes Evan Thomas, que anteriormente pilotava aeronaves F-16 para a Força Aérea dos EUA. “Foi fantástico em geral. Eu honestamente não poderia ter esperado mais em um primeiro voo, especialmente de um avião com essa complexidade e essa singularidade.”

Como a CNN nota, o Stratolaunch ainda precisará ser certificado pela Administração Federal de Aviação dos EUA, que exigirá muitos mais voos de teste, antes que ele possa começar a lançar cargas úteis para fora do planeta. Ele também enfrenta a concorrência da Virgin Orbit, de Richard Branson, que usa uma aeronave Boeing 747-400 modificada e provavelmente enfrentará menos obstáculos regulatórios.

[Washington Post/CNN]