Por um momento, a aparição de Mark Zuckerberg em frente aos membros do Parlamento Europeu pareceu tomar um rumo péssimo para o CEO do Facebook. E aí ele começou a responder as perguntas, uma enxurrada de problemas saiu de sua boca e todo mundo ficou com raiva.

• Verificação de notícias do Facebook chega ao Brasil
• Como descobrir se a Cambridge Analytica roubou seus dados do Facebook

Nesse período que antecedeu a primeira aparição de Zuckerberg diante dos políticos europeus desde o escândalo envolvendo a Cambridge Analytica, era esperado que ele enfrentasse questões mais difíceis do que enfrentou em frente ao Congresso dos EUA. Não só porque os europeus são um pouco mais protetores na questão da privacidade e mais abertos a quebrar monopólios, mas também pelo fato da União Europeia estar implementando a tão aguardada política de proteção GDPR no final desta semana.

Neste caso, são governantes que estão realmente impondo regulamentações, em vez de só falar a respeito do tema. E há diversos indícios de que o Facebook está tentando burlar a nova lei.

E de fato, alguns líderes dos grupos políticos do Parlamento Europeu tinham perguntas pesadas para Zuckerberg. Alguns deram seguimento a questões levantadas pelo Senado dos EUA que permaneceram sem respostas desde abril. A maioria deles parecia ter mais firmeza sobre o tema do que a maioria do Congresso americano. E a maioria das perguntas eram bem específicas, como “O Facebook permitirá que usuários optem por não participar do programa de publicidade personalizada?” Mas o formato escolhido foi péssimo e impediu que Zuckerberg desse respostas diretas.

Em vez de dar a cada Membro do Parlamento um tempo de pergunta, para então se obter uma resposta e fazer uma réplica, todos colocaram suas questões logo no início. Cada membro jogou cerca de seis perguntas e Zuckerberg teve a chance de responder tudo de uma vez só. De primeira, parecia que isso estava irritando o CEO do Facebook. Um grande número de problemas foram levantadas em sucessão e me perguntei como ele iria responder a cada um. No final, ele não respondeu.

Dá para perceber que cada resposta do Zuckerberg continha algum trecho de suas observações que foram liberadas antes da audiência e que ele leu em voz alta antes do procedimento começar. O executivo de 34 anos teve meses para aprimorar suas habilidades para entregar respostas prontas e ele o fez nesta terça-feira (22); tudo isso sem nervosismo. Em vez de responder a questões separadas, ele olhou para suas notas e as agrupou em temas. E já ouvimos cada resposta dessas antes. Todas elas caem no papo de que “O Facebook precisa melhorar, e estamos melhorando!”

A sessão excedeu o tempo previsto e Zuckerberg anunciou que encerraria sua fala. Ele lamentou que “houve muitas questões específicas que ele não conseguiu responder especificamente”, mas que estava satisfeito por ter “conseguido dar conta das grandes áreas” entre as preocupações de todos. Isso não caiu bem no momento.

Vários membros começaram a apontar quais questões ficaram sem resposta. Philippe Lamberts da Bélgica apontou incomodado que formulou todas as seis perguntas para respostas simples como “sim” ou “não” e acabou sem resposta nenhuma. Lamberts expôs claramente: “é claro, você pediu por esse formato por um motivo”. Não era claro de quem era a ideia desse formato esquisito de audiência, até que Lamberts repreendeu Zuckerberg.

O momento mais intenso aconteceu quando Zuckerberg estava finalizando sua fala. Syed Kamall da Grã-Bretanha lembrou o CEO que ele não respondeu sobre as preocupações envolvendo “perfis sombra” que o Facebook desenvolve com dados de não usuários. Essa foi a cara de Mark:

Zuckerberg tentou explicar que o Facebook anunciou uma ferramenta de histórico transparente que permitirá que os usuários limpem todos os dados básicos de histórico de navegação. Ele explicou que a companhia mantém um registro de não usuários para se assegurar que não estão coletando dados e monitorando “como as pessoas usam o nosso serviço”. Kamall interrompeu a resposta para perguntar como um não usuário do Facebook pode impedir que seus dados sejam transferidos para o sistema da rede social. “Em questão de segurança, achamos que é importante manter esses dados para proteger as pessoas em nossa comunidade”, Zuckerberg respondeu secamente antes de recorrer a seu conselho e mudar de assunto.

No final, ninguém pareceu satisfeito com a audiência, mas houve uma promessa de completar respostas por escrito. Essa promessa veio do advogado de Zuckerberg. As perguntas que ficaram sem respostas nas duas sessões no Congresso americano continuam se arrastando.

Abaixo, você verá todas as questões que foram apresentadas para Mark Zuckerberg e que ele não respondeu especificamente. Nós parafraseamos muitas delas para obter mais clareza.

As perguntas

Manfred Weber da Alemanha:

O caso Cambridge Analytica é isolado? Você pode garantir que outro escândalo como esse não acontecerá em três, seis, nove meses?

Você tomou a decisão em 2015 de não notificar seus usuários sobre a perda de dados para o Cambridge Analytica? E por que não notificar os usuários?

Existe uma alternativa aos serviços do Facebook na Europa hoje?

Você consideraria sua empresa um monopólio?

Acho que é hora de discutir a segmentação do Facebook, você pode me convencer a não fazer isso?

Udo Bullmann da Alemanha:

Você está pronto para cumprir completamente as regulamentações da GDPR nos próximos três dias?

Você pode garantir que o Facebook estará alinhado com as novas regras?

Você pode garantir que não coletará e venderá dados a terceiros sem o devido consentimento, especialmente se as pessoas quiserem sair do Facebook?

Com que rapidez e em que condições os usuários que deixam o Facebook terão seus dados totalmente removidos?

Como você pode explicar que o número de contas falsas no Facebook está aumentando?

O que você está fazendo para identificar contas falsas especificamente sofisticadas, especialmente quando se trata de manipulação política?

Você está pronto para garantir que as próximas eleições europeias serão livres de manipulação de poderes estrangeiros e hostis? Como você pode adaptar seu modelo de negócios para garantir isso?

Syed Kamall da Grã-Bretanha:

O Facebook admitiu a criação de “perfis sombra” de pessoas que navegam na web, mas não têm uma conta no Facebook. Evitar a internet é a única maneira de evitar que o Facebook colete meus dados?

O que você faz com os dados de usuários que não são do Facebook? Você comercializa isso? Isso é moralmente aceitável?

Um usuário que não tem conta no Facebook consegue ver os dados coletados? Se não, por que não?

Guy Verhofstadt da Bélgica:

Você está nos dizendo a verdade quando diz que vai aplicar os padrões de privacidade do GDPR? Porque já existem indícios de que você está violando os regulamentos.

O artigo 82 do GDPR oferece a possibilidade de compensação para os usuários que têm seus direitos violados. Você vai compensar os usuários europeus do Facebook quando violar o GDPR? Qual será o valor da compensação?

Você cooperará com as autoridades europeias, abrirá seus registros e nos permitirá ver se o Facebook é um monopólio?

Você estaria aberto à ideia de dividir o Messenger e o WhatsApp, mas manter o Instagram sob o guarda-chuva do Facebook?

Como você será lembrado: como um dos três gigantes da internet, junto com Steve Jobs e Bill Gates que enriqueceram nosso mundo, ou como o gênio que criou um monstro digital que está destruindo nossa democracia e sociedade?

Philippe Lamberts da Bélgica:

(Todas perguntas com responder “sim” ou “não”)

O Facebook promete transparência “sistemática” e “pública” em todas as campanhas eleitorais?

O Facebook permitirá que todos os usuários saiam completamente do programa de publicidade direcionada?

O Facebook fornece conteúdo de mídia ou curadoria, ou é uma plataforma neutra?

O Facebook voluntariamente se comprometerá a publicar a lista de suas entidades legais, o número de pessoas que empregam, seu faturamento, seus lucros ou prejuízos e os impostos que pagam ou subsídios que recebem, país por país?

O Facebook se comprometerá a pagar impostos nos países onde opera?

Gabriele Zimmer da Alemanha:

Você afirmou que apoia as regulamentações de privacidade do GDPR e que as aplicará globalmente “em espírito”. O que isso significa exatamente?

Você realmente moveu os dados de usuários que estavam armazenados em servidores na Europa para que eles estivessem fora do alcance efetivo das autoridades europeias?

Você gastou muito dinheiro fazendo lobby para atrasar a implementação das regulamentações de proteção de dados. Isso é realmente do interesse do Facebook?

Como a cultura no Facebook mudou em relação à discriminação contra as mulheres, o sexismo e a violência contra as mulheres desde os dias em que era um site que se referia às mulheres como “gostosas ou não”?

Nigel Farage da Grã-Bretanha:

Você aceitaria um projeto de lei de que garantisse a proteção básica da liberdade de expressão em mídias sociais?

Nicolas Bay da França:

(Relativo a notícias falsas, bem como à expressão pessoal.) A censura arbitrária realizada pelo Facebook é compatível com os valores fundamentais de nossa democracia?

Qual base legal você tem para deletar páginas do Facebook baseadas em expressões religiosas?

A caça por notícias falsas se torna uma desculpa para caçar e silenciar as liberdades de opinião e expressão?

Diane Dodds da Irlanda do Norte:

Você pode nos explicar o que está fazendo para trabalhar com organizações terceirizadas para tentar educar as pessoas sobre segurança ao usar a internet?

Você pode dizer que está confortável com a afirmação de que todos as crianças estão seguras ao usar as configurações padrão do seu website?

(Em relação ao discurso de ódio, terrorismo e postagens ofensivas) Você pode nos dizer como define comentários aceitáveis no site?

Cristiana Muscardini da Itália:

O Facebook verifica a conformidade da empresa de terceiros com suas políticas? Como você vai garantir que isso realmente aconteça?

Quais coisas específicas o Facebook fará para evitar que outro escândalo aconteça?

Claude Moraes da Grã-Bretanha:

A Cambridge Analytica é apenas a ponta do iceberg quando se trata de manipular incorretamente os dados dos usuários?

Por que você não informou aos usuários que seus dados foram comprometidos e deu a eles uma chance de tomar medidas para proteger ainda mais seus dados?

Você dará aos usuários acesso total aos seus materiais relacionados a marketing, como é exigido no GDPR?

Jan Philipp Albrecht da Alemanha:

Você vai garantir que nenhum usuário do Facebook ou futuro usuário do Facebook será obrigado a conceder o consentimento para o uso de seus dados pessoais mais do que o necessário para o uso do serviço?

Você disse ao Senado americano que o Facebook coleta e guarda alguns dados para fins de segurança. Você pode prometer que esses dados mantidos por motivos de segurança não são usados para outros serviços ou propósitos, como anúncios direcionados?

Você pode prometer que os dados dos usuários europeus não serão usados ou trocados entre os serviços do WhatsApp e do Facebook?

[CNBC/YouTube]

Imagem do topo: Captura de tela/CNBC