No ano passado, o Twitter e outras redes sociais anunciaram medidas para combater a desinformação em suas plataformas. Isso inclui não apenas os conteúdos de caráter político, mas de saúde também – principalmente em meio à pandemia de Covid-19 que estamos vivendo. Um dos alvos mais recentes do Twitter foi o Ministério da Saúde, que teve uma de suas publicações sinalizadas como contendo informações enganosas no sábado (16). Na sexta-feira (15) havia feito o mesmo com um tuíte do presidente Jair Bolsonaro.

Apesar do alerta constante de especialistas sobre a falta de comprovação científica em relação à eficácia de medicamentos como hidroxicloroquina e ivermectina no tratamento contra Covid-19, o Ministério da Saúde continua promovendo o uso deles. Na publicação bloqueada pelo Twitter, era recomendado que as pessoas procurassem o “tratamento precoce”, que refere-se ao “kit Covid” que o governo planeja distribuir para a população e que inclui os fármacos criticados por pesquisadores.

Captura de tela: Twitter

Após o Twitter sinalizar o post como contendo “informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à Covid-19”, o Ministério da Saúde divulgou uma nota no domingo (17) informando que solicitou um posicionamento da rede social. O comunicado ainda afirma que “o conteúdo não feriu nenhuma das políticas de convivência da rede social”.

Os medicamentos inclusos no “kit Covid” já foram testados em laboratório. O resultado foi que pesquisadores de diferentes países comprovaram que eles não são eficazes contra Covid-19 e que não há uma prevenção ou tratamento para a doença que utilize remédios. A Sociedade Brasileira de Infectologia, inclusive, não recomenda o uso do “tratamento precoce”.

Ainda assim, o Ministério da Saúde aproveitou o comunicado de domingo para defender novamente o tratamento precoce.

Confira a nota na íntegra:

O Ministério da Saúde esclarece que o post bloqueado pela plataforma do Twitter se refere ao tratamento precoce – protocolo da pasta para enfrentamento à pandemia da Covid-19. A pasta solicitou ao Twitter um posicionamento a respeito do ocorrido, já que o conteúdo não feriu nenhuma das políticas de convivência da rede social.

O tratamento precoce vem sendo orientado, para que junto com os recursos assistenciais disponibilizados pelo Governo Federal desde o início da pandemia, ajude a salvar vidas. Em casos de qualquer sintoma é muito importante que o paciente procure um profissional de saúde e dê início ao tratamento. Precisamos evitar que casos graves da doença ocorram.

Todo tratamento médico eficiente se caracteriza por ser realizado tão logo se detecte o problema. O Ministério da Saúde defende esse princípio que rege as boas práticas da medicina mundial.

É importante destacar que o tratamento precoce é uma orientação, mas cabe, única e exclusivamente, aos médicos decidirem os procedimentos mais adequados para seus pacientes. E a estes aceitarem ou não a orientação.

[G1]