Embora raças de cães como o Bulldog Francês (pelo menos para algumas pessoas) sejam maravilhosamente fofas, há muito se pensava que os crânios distintamente compactos desses cães também os tornam muito vulneráveis ​​a problemas graves de saúde e respiração. Mas novas pesquisas fora da Europa sugerem que rostos sorridentes são apenas parte do problema para algumas raças – uma mutação genética não relacionada, que também é encontrada em cães que não possuem esse tipo de crânio, pode ser parcialmente responsável também.

Buldogues franceses e cães com cabeça semelhante, como o pug, são conhecidos como cães braquicefálicos. Em comparação a cães como o labrador, esses filhotes são criados para ter narizes e testas extremamente planas. Seu crânio compacto, no entanto, muitas vezes pode resultar em partes do corpo muito grandes ou pequenas, como o palato (a parte macia do céu da boca) ou narinas. Quando isso acontece, o fluxo de ar pode ser obstruído e causar problemas respiratórios crônicos. O termo genérico para este fenômeno é chamado de síndrome das vias aéreas obstrutivas braquicefálicas, ou BOAS (em inglês).

O autor do estudo, Jeffrey Schoenebeck, um geneticista de cães da University of Edinburgh’s Royal School of Veterinary Studies, já vem estudando e tentando entender melhor a BOAS em cães braquicefálicos. Mas anos atrás, ele começou a ouvir histórias de criadores do Norwich Terrier, um cão originário do Reino Unido, criado para caçar roedores. Os cães estavam sofrendo sintomas notavelmente semelhantes a BOAS. Embora Norwich Terriers sejam tão pequenos quanto um pug ou Frenchie, eles não são braquicefálicos.

“Isso nos fez pensar se havia algo semelhante entre essas diferentes raças, ou se nós estávamos vendo duas doenças diferentes que pareciam muito semelhantes”, disse Schoenebeck ao Gizmodo.

Eventualmente, Schoenebeck e sua equipe decidiram se juntar a outros pesquisadores – incluindo alguns que passaram décadas coletando o DNA e examinando as vias aéreas de centenas de Norwich Terriers – para desvendar o mistério.

Os resultados da pesquisa, publicada na revista PLOS-Genetics, sugerem que uma mutação específica em um gene chamado ADAMTS3 pode explicar essa síndrome em Norwich Terriers. Os terriers com os piores sintomas e deformidades nos tecidos, por exemplo, geralmente eram  cães que tinham duas cópias da mutação, indicando uma clara relação de causa e efeito. Mas, curiosamente, eles também encontraram essa mesma mutação no DNA de alguns buldogues ingleses e franceses.

“Esta descoberta muda a forma como vemos a predisposição para doenças respiratórias em cães, oferece potenciais rastreamentos genéticos e destaca uma nova função biológica para a ADAMTS3”, escreveram os autores.

Acredita-se que o gene ADAMTS3, encontrado no 13º cromossomo, ajuda no desenvolvimento do sistema linfático, a rede de vasos e órgãos que transportam os glóbulos brancos e os resíduos por todo o corpo, conforme necessário. Outras mutações no ADAMTS3, tanto em cães como em humanos, foram previamente associadas a deformidades faciais e bloqueios de vasos linfáticos, que podem causar acúmulo de líquido e inchaço.

Dito isso, nenhum estudo isolado pode ou deve ser usado para provar que A foi a causa de B. Assim, Schoenebeck e sua equipe planejam fazer pesquisas de acompanhamento, possivelmente usando linhas de células de cães no laboratório, para confirmar suas descobertas.

Mas, casualmente, os criadores de Norwich Terrier que recorreram à ajuda dos co-autores da pesquisa na Suíça conseguiram reduzir a probabilidade de a síndrome aparecer em seus cães ao longo do tempo, identificando cães que são mais ou menos propensos a desenvolver a doença, com base em seus testes de respiração. E quando compararam populações mais recentes desses cães com as mais velhas, os mais novos foram menos propensos a portar a mutação ADAMTS3.

“Nos anos 90, cerca de 80% dos Norwich Terriers que vieram para a clínica tinham problemas de respiração e sofriam essa mutação. Mas esse número está diminuindo cada vez mais com o tempo ”, disse Schoenebeck. “Eles não sabiam disso na época, mas na verdade estavam fazendo uma seleção contra o que achamos estar causando essa doença.”

Mas mesmo que a ADAMTS3 cause exclusivamente a síndrome do tipo BOAS em Norwich Terriers, o cenário é mais complexo para os buldogues.

“Se um buldogue francês está em conformidade com o padrão da raça, então todos eles têm um certo grau de risco, devido à forma do crânio. Mas há outras coisas que podem estar contribuindo para esse risco”, disse Schoenebeck. “E isso pode ser uma das coisas que podem estar segregando-os em diferentes níveis de risco. Mas ainda não sabemos até que ponto”.

Por esse motivo, é necessário realizar mais pesquisas com foco na ligação entre ADAMTS3 e BOAS em bulldogs. Isso incluiria estudos em que os sintomas de um bulldog são medidos contra a quantidade de cópias ruins de ADAMTS3, semelhante ao que foi feito neste estudo.

Também pode chegar um momento em que o gene ADAMTS3 possa ser usado para orientar o tratamento de buldogues com BOAS, acrescentou Schoenebeck. Bulldogs com BOAS mais graves muitas vezes fazem uma cirurgia corretiva para ajudá-los a respirar mais facilmente. Mas já sabemos que o acúmulo de fluído nas vias aéreas de um cão com BOAS está ligado a uma recuperação pior depois. Então, se o BOAS de um cachorro estiver diretamente ligado a essa mutação, isso pode significar que ele não responderá tão bem ao tratamento.