A última rodada de financiamento da Nasa para impulsionar o desenvolvimento de conceitos avançados inclui um detector de neutrino baseado no espaço, uma sonda interestelar alimentada por velas solares e um radiotelescópio construído dentro de uma cratera no lado oposto da lua.

O programa Innovative Advanced Concepts (NIAC) da Nasa é uma das minhas coisas favoritas no mundo, pois oferece uma visão potencial do futuro. Claro, nem todas as propostas serão aprovadas no final, mas alguns desses conceitos podem realmente decolar. E para aquelas ideias que morrem logo no início, pelo menos nos deram a chance de sonhar com o que poderia realmente ser possível.

Esse é o caso da rodada mais recente de aprovações, em que a Nasa alocou US$ 5 milhões em fundos para vários grupos que buscavam avançar seus conceitos para o próximo estágio. Todos os projetos nesta rodada estão avançando para os contratos da Fase II ou da Fase III, conforme a Nasa anunciou na semana passada.

A lista atual de propostas está a pelo menos uma década ou mais de ser concluída, e nenhuma delas é um programa oficial da Nasa no estágio atual. A ideia geral é lançar conceitos que irão “mudar o possível”, como diz a agência espacial. O processo de seleção é feito por revisão de pares, e cada projeto é avaliado de acordo com a importância científica e viabilidade tecnológica.

O grande vencedor nesta última rodada é um conceito de missão de detecção de neutrinos, que agora segue para a Fase III. Nikolas Solomey e sua equipe da Wichita State University, no Kansas, vão receber US$ 2 milhões, que serão gastos nos próximos dois anos para desenvolver o detector de neutrino baseado no espaço.

“Os neutrinos são uma ferramenta para ‘ver’ dentro das estrelas, e um detector baseado no espaço pode oferecer uma nova janela para a estrutura do nosso Sol e até mesmo da nossa galáxia”, explicou Jason Derleth, executivo do programa NIAC, em um comunicado da Nasa. “Um detector orbitando perto do Sol pode revelar a forma e o tamanho da fornalha solar no núcleo. Ou, indo na direção oposta, esta tecnologia poderia detectar neutrinos de estrelas no centro de nossa galáxia.”

A Fase III deste projeto envolverá um detector de neutrino pronto para o voo que, de preferência, será testado em um CubeSat real.

Os projetos restantes nesta rodada receberão US$ 500 mil para os contratos da Fase II.

Diagrama mostrando o módulo de pouso Plutão, que empregaria um “desacelerador aerodinâmico inflado e envolvente” para diminuir a velocidade. Imagem: Nasa/Kerry Nock/Global Aerospace Corporation

Kerry Nock, da Global Aerospace Corporation na Califórnia, pode prosseguir com seu conceito de pousar uma sonda em Plutão ou algum outro corpo celestial com atmosferas de baixa pressão, enquanto Jeffrey Balcerski, do Instituto Aeroespacial de Ohio, em Cleveland, continuará a desenvolver uma ideia em que drones robóticos que parecem pipas explorariam as nuvens na atmosfera venusiana.

O roboticista Saptarshi Bandyopadhyay do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa pode levar adiante sua ideia de construir um radiotelescópio dentro de uma cratera do outro lado da lua. Bandyopadhyay prevê uma rede de arame implantada por uma equipe de robôs para criar um grande prato refletor parabólico.

Sua equipe deve agora “se concentrar em refinar as capacidades do telescópio e várias abordagens de missão”, de acordo com a Nasa. Estou pessoalmente animado para ver o Lunar Crater Radio Telescope (LCRT) avançado para a Fase II, uma vez que chamou a minha atenção quando foi anunciado para a Fase I no ano passado.

Um plano para implantar CubeSats movidos a velas solares também será levado adiante. A ideia, proposta por Artur Davoyan, da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, permitiria uma forma inteiramente nova de explorar o sistema solar e possivelmente até o espaço interestelar.

“Acredita-se que as velas solares CubeSat superleves poderiam viajar 60 vezes a distância Terra-Sol em um ano, o que é 20 vezes a velocidade da Voyager 1 — atualmente a espaçonave mais distante de todas — e poderia chegar a Júpiter em cinco meses”, de acordo com a uma declaração da UCLA . “Essa jornada atualmente leva cinco anos.”

Diagrama do conceito de vela solar. Por “> 50 UA / ano”, os desenvolvedores querem dizer 50 unidades astronômicas viajadas em um ano, ou 7,5 bilhões de km. Para referência, Plutão está a cerca de 34 UA da Terra. Ilustração: UCLA

Davoyan e seus colegas devem agora fabricar e testar materiais ultraleves para velas, capazes de suportar temperaturas extremas e outras demandas do espaço.

O programa NIAC incentiva o pensamento inovador. Uma ideia proposta por Lynn Rothschild, cientista do Ames Research Center da Nasa, na Califórnia, é exatamente isso, como explica a Nasa:

[A equipe] vai estudar mais maneiras de cultivar estruturas, talvez para habitats espaciais futuros, a partir de fungos. Esta fase de pesquisa terá como base as técnicas anteriores de produção, fabricação e teste de micélios. Rothschild, junto com uma equipe internacional, testará diferentes fungos, condições de crescimento e tamanho de poro em pequenos protótipos em condições ambientais relevantes para a Lua e Marte. A pesquisa também avaliará as aplicações terrestres, incluindo placas biodegradáveis ​​e estruturas rápidas e de baixo custo.

Sim, habitats espaciais lunares e marcianos construídos a partir de fungos. Definitivamente lá fora, mas é tão estranho que nós temos que ver esse trabalho.

Finalmente, Peter Gural, da Trans Astronautica Corporation na Califórnia, continuará a desenvolver um método para detectar pequenos asteroides de uma forma mais rápida do que as abordagens atuais — tipo, mais de 400 vezes mais rápido do que “todas as pesquisas existentes combinadas”, de acordo com a proposta de Gural. Seu plano prevê uma constelação de três espaçonaves, cada uma delas equipada com centenas de pequenos telescópios e processamento de imagens a bordo. Para a Fase II, Gural e colegas terão que desenvolver sua proposta de tecnologia de filtro.

Assine a newsletter do Gizmodo

Seria bom ver todos esses conceitos se tornarem realidade, mas só o tempo — e os esforços desses cientistas e tecnólogos — dirão. Boa sorte a todas as equipes envolvidas.