Como uma Estrela da Morte ariana, o canhão nazista Gustav foi o maior já construído e não sobrou muita coisa onde ele atingiu.

Em 1939, Adolf “Estou Supercompensando Alguma Coisa” Hitler precisava descobrir um meio de passar pela linha Maginot, um complexo de 1500km de fortalezas, barreiras de tanque, artilharia e trincheiras com metralhadoras que seguia pelas fronteiras franco-germânica e franco-italiana. Antes que ele percebesse que poderia simplesmente ignorar a linha passando pela Bélgica, Hitler planejou destruí-la completamente. Para isso, ele recrutou Friedrich Krupp A.G. uma empresa de Essen, na Alemanha para construir uma arma que fosse capaz de tal feito. Em 1941 a empresa havia projetado e construído o maior canhão de todos os tempos, o “canhão Gustav”.

Batizado por causa do patriarca da família Krupp, Gustav Krupp von Bohlen um Halbach, o canhão Gustav pesava 1344 toneladas, tão pesado que mesmo acoplado a um vagão ferroviário, ele ainda precisava ser desmontado antes de se mover para não destruir os trilhos conforme passasse por cima deles. Esse monstro tinha 6 metros de altura e 43 metros de comprimento. Uma equipe de 500 homens, comandada por um Major-General, precisava que quase três dias inteiros (54 horas, para ser exato) para montar e preparar para atirar. Mas quando ele disparava, era melhor se segurar.

O Gustav tinha um diâmetro interno de 800mm e usava 1360kg de pólvora sem fumaça para atirar seus dois tipos de projeteis principais: um projétil de 5 toneladas altamente explosivo (HE) e um de 7 toneladas capaz de perfurar concreto –aproximadamente o peso de um ônibus escolar vazio com capacidade para 71 passageiros, viajando a 823 metros por segundo.

Com a elevação máxima de 48 graus, o projétil HE podia atingir um alvo a 47 km de distância, enquanto o destruidor de bunkers podia destruir qualquer coisa a até 37km de distância – ambos com uma precisão razoável. O Gustav podia basicamente disparar um projétil no ponto mais distante de Long Island, em NY, e não atingir nada além de água. Se ele atingisse, o HE iria deixar uma cratera de 9 metros, enquanto o projétil perfurante poderia penetrar 80 metros de concreto reforçado.

O Gustav, felizmente, ficou pouco tempo em ação. Ele disparou 300 projeteis em Sebastopol (em média 14 projéteis por dia) e mais 30 durante a Revolta de Varsóvia em 1944 antes de ser capturado pelas tropas aliadas e destruído. Sua irmã de 7 milhões de marcos alemães, a Dora, foi destruída pelos próprios alemães para evitar que caísse nas mãos dos russos. O resto das malignas máquinas de guerra nazistas foi destruído em 1945 depois que as forças aliadas conseguiram ocupar a Renânia.

[Popular Mechanics – Gustav Wiki – World’s Biggests – Imagem no topo cedida pela revista American Rifleman, Fevereiro de 1998. Página 26. ]

Monster Machines fala sobre as máquinas mais fantásticas do mundo, desde gigantescos gadgets de destruição até minúsculas máquinas de precisão, e tudo que está entre eles.