A Organização Mundial da Saúde finalmente criou um nome para a doença causada pelo coronavírus recém-descoberto que infectou mais de 40 mil pessoas e matou mais de 1.000 em todo o mundo. Enquanto isso, outros cientistas discutem um novo nome para o vírus em si.

Em uma entrevista coletiva realizada na terça-feira, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, deu o nome da doença: COVID-19.

COVID significa COrona VIrus Disease (Doença do Coronavírus), enquanto “19” se refere a 2019, quando os primeiros casos em Wuhan, na China, foram divulgados publicamente pelo governo chinês no final de dezembro.

O nome pode parecer brando, mas sua simplicidade foi uma decisão consciente da OMS e de seus parceiros, a Organização Mundial de Saúde Animal e Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

Historicamente, os nomes de novas doenças geralmente vêm do local ou do grupo de pessoas ou animais da suposta origem, como a gripe espanhola, o Ebola e a doença de Lyme. Mas esses nomes às vezes estão errados — a gripe espanhola quase certamente não veio da Espanha. Além disso, eles também podem estimular a desconfiança ou a estigmatização de certos grupos de pessoas.

O nome temporário decidido pela OMS — 2019-nCoV — era ruim e sem dúvidas fez muita gente na mídia internacional chamar a doença pelo apelido não oficial de “vírus Wuhan”. E já existem relatos de xenofobia e discriminação em relação aos descendentes de chineses desde que o surto de COVID-19 começou a se espalhar para outros países através de viagens.

“Tivemos que encontrar um nome que não se referisse a uma localização geográfica, um animal, um indivíduo ou grupo de pessoas, e que também fosse pronunciável e relacionado à doença”, disse Tedros na conferência de imprensa na terça-feira. “Ter um nome é importante para impedir o uso de outros nomes que podem ser imprecisos ou estigmatizadores. Também nos fornece um formato padrão para uso em futuros surtos de coronavírus. ”

É uma lição recentemente colocada em prática pela OMS. Em 2012, quando outro surto de um coronavírus recém-descoberto surgiu na Arábia Saudita, a OMS acabou designando a doença como “Síndrome Respiratória do Oriente Médio”. Embora seja mais conhecida por sua abreviatura MERS, a reação foi suficiente para convencer a OMS a estabelecer novas diretrizes de nomeação em 2015.

Embora o COVID-19 possa agora ser o nome oficial da doença que se espalha pelo mundo, esse não é o nome do vírus que a causa.

Os vírus são classificados pelo Comitê Internacional de Taxonomia de Vírus (ICTV). Quando um novo vírus aparece, o ICTV reúne especialistas relevantes para se reunir e decidir onde e como o vírus se encaixa na árvore genealógica existente, incluindo os parentes mais próximos.

Na terça-feira, uma declaração do grupo de estudo do coronavírus ​​da ICTV foi publicada no site do servidor de pré-impressão bioRxiv após a decisão da OMS se tornar pública. Ele detalhou a proposta da ICTV para o nome do vírus.

Hoje em dia, o nome de um vírus relevante para a saúde humana costuma estar próximo do nome da doença que causa. Mas, neste caso, os cientistas optaram por se referir a ele usando os estreitos laços genéticos deste coronavírus com o coronavírus que causa a síndrome respiratória aguda grave, ou SARS. Por isso, eles propuseram que ele fosse chamado SARS-CoV-2.

“É importante enfatizar que a OMS nomeou a doença e não o vírus”, disse John Ziebuhr, virologista alemão e presidente do grupo de ICTV que estuda os coronavírus, em entrevista ao Gizmodo. “É muito importante explicar essa diferença ao público. Infelizmente, a doença e o vírus que causa a doença são frequentemente confundidos.”