Alguém – talvez um adolescente, talvez alguém mais velho – atravessou correndo a margem do Lago Otero, escorregando enquanto caminhava, mas avançando com firmeza. As evidências sugerem que essa pessoa estava carregando uma criança de aproximadamente 3 anos, deixando a criança no chão por apenas um momento em pelo menos três lugares diferentes ao longo da jornada antes de continuar.

Enquanto essa pessoa estava fora, um enorme proboscidiano – um mamute colombiano ou um mastodonte – se arrastou por aquele caminho, deixando algumas pegadas. Na verdade, potencialmente três proboscidianos se moveram por aquela paisagem, cortando os rastros deixados pelo humano.

É difícil determinar uma data, mas em outro momento, uma gigantesca preguiça terrestre também se aproximou do Lago Otero. Seus rastros indicam que ela estava consciente da presença do humano – uma mudança no comportamento – onde ela pode ter se erguido em dois pés para cheirar o ar, verificar sua própria segurança e determinar o que estava à frente, antes de mudar rapidamente de direção e se afastar.

A mesma pessoa (ou talvez uma pessoa diferente) caminhou de volta ao lado da trilha inicial em algum ponto mais tarde, mas as pegadas indicam que ela não estava mais carregando algo. Se a mesma pessoa estivesse voltando de onde veio, talvez a criança tenha ficado para trás.

Essas cenas são descritas em um artigo notável publicado no início deste mês na Quaternary Science Reviews, e elas interpretam ações realizadas por humanos e outros animais que viveram no que hoje é o Novo México, pelo menos 10.000 anos atrás. Hoje, essa área é o Parque Nacional White Sands.

Muitas pessoas o conhecem por causa das dramáticas dunas de areia branca que deram origem ao seu nome, mas os paleontólogos reconhecem o Parque Nacional White Sands pela incrível riqueza de icnofósseis – pegadas fósseis, neste caso – que ele preserva. E embora muitas dessas pegadas possam ser facilmente vistas a olho nu, são as “trilhas fantasmas” únicas de White Sand que tornam o local ainda mais único.

Uma seção da trilha dupla. Viagens de ida e volta, uma após a outra. Imagem central: Pegadas infantis. Imagem à esquerda: uma das trilhas com pouco deslizamento. Imagem: Matthew Bennett, Bournemouth University

David Bustos, gerente do programa de recursos em White Sands e coautor deste artigo recente, riu quando lembrou de uma vez em que levou cientistas para ver uma área que ele sabia com certeza que continha pegadas fósseis, apenas para encontrá-las completamente invisíveis quando chegaram. As circunstâncias ambientais, explicou ele por telefone ao Gizmodo, têm que estar certas para que apareçam: nem muito secas, nem muito molhadas. Sua grande visibilidade em um dia e a ausência total no outro é o que leva as pessoas a se referir a esses icnofósseis como pegadas fantasmas. Esse ato de desaparecimento e reaparecimento acontece repetidamente em todo o parque.

Durante o Pleistoceno, White Sands foi o lar de um enorme lago, agora conhecido como Lago Otero. As evidências sugerem que ele pode não ter existido sempre como um corpo de água, mas sim como muitos lagos menores que, quando inundados, formaram uma entidade muito maior. É ao redor desse paleolago que muitas das pegadas são encontradas. Pegadas de proboscidianos, preguiças gigantes, canídeos, bisões, camelos, felinos e humanos, foram todas descobertas aqui, às vezes em associação umas com as outras.

“Temos cerca de 80.000 acres de Lago Otero no Parque”, explicou Bustos. “E através desses 80.000 acres, estamos encontrando impressões fósseis em todos os lugares. Acho que é isso que é incrível. E eles vão por longas distâncias. Por serem tão longos, você pode ver interações que não pode ver em outros rastros ao redor do mundo”.

Essa trilha descrita no novo artigo se estende por 1,5 quilômetro, mas outras trilhas, como a de uma espécie extinta de camelo, se estendem por mais de 3 quilômetros. O comprimento e o número dessas trilhas oferecem percepções incomparáveis ​​da vida antiga.

“O mamute simplesmente não se importou e continuou em frente. Mas a preguiça se virou. Isso diz muito sobre o comportamento desses animais”.

Bustos, o autor principal Matthew Bennett e a coautora Sally Reynolds fizeram parte da equipe que em 2018 descreveu a interação fenomenal entre uma preguiça gigante e vários humanos, na qual pegadas indicavam que a preguiça estava sendo seguida e talvez provocada pelo grupo.

Outro artigo em 2019 descreveu a tecnologia usada para pesquisar muitas das trilhas, bem como outra trilha na qual um humano antigo e um proboscidiano, talvez um mamute colombiano, caminharam na mesma área geral, cruzando o caminho um do outro.

Bustos trabalha na White Sands há 15 anos. Falando com ele, ficamos com duas impressões muito fortes: Ele é extremamente grato aos cientistas que têm trabalhado no parque e realmente conhece essas pegadas e as histórias que podem contar.

“Se você encontrar um conjunto de impressões, normalmente encontrará outros na mesma área”, disse Bustos. “E isso inclui de humanos, mamutes, preguiças gigantes e camelos. Esses quatro são muito comuns em 80.000 [acres]. Isso é importante porque eles foram formados nas mesmas condições e período de tempo. Temos impressões humanas e da megafauna feitas de argila, areia e dolomita, dependendo de onde você estiver no leito”.

Aqueles de nós que não estão perto de White Sands têm uma visão um tanto estreita do que o parque envolve. Cada novo artigo traz consigo surpresas maravilhosas e detalhes fascinantes. Mas Bustos viu parte desse comportamento em outras localidades e sabe muito mais sobre os tipos de icnofósseis contidos no parque.

Representação artística da vida na White Sands ancestral. Segundo Bustos, uma área do local indica, por meio de pegadas preservadas, um grupo de crianças que pode ter brincado em poças. “Eu tenho filhos e eles adoram pular em poças de lama. É a mesma atividade que vemos naquela época. Estamos conectados nesse quesito. Mesmo com o tempo, ainda somos os mesmos de várias maneiras”. Ilustração: Karen Carr/National Park Service

“O que vemos frequentemente são preguiças terrestres gigantes mudando seus movimentos em resposta aos humanos. Eles vão se levantar. E eles vão se virar. Temos vários em outros lugares do parque. Sempre que houver [pegadas] humanas ao redor de uma preguiça, [a preguiça] começará a girar em círculos ou a fazer coisas engraçadas. Mas quando não há pegadas humanas presentes, as preguiças simplesmente vagam e andam em linha reta. Elas não começam a andar em círculos ou a girar. É realmente interessante. Os mamutes”, disse ele, rindo,“eles não parecem se importar de jeito algum”.

A paleontóloga Melissa Macias notou esse aspecto também ao revisar este último artigo. “O mamute simplesmente não se importou e continuou andando”, disse ela por telefone ao Gizmodo. “Mas a preguiça se virou. Isso diz muito sobre o comportamento desses animais”.

Três espécies de preguiça ancestral são conhecidas daquele período e região geográfica: Megalonyx, Nothrotheriops e Paramylodon. Mas das três, apenas duas – Nothrotheriops e Paramylodon – têm um pé pedolateral, o que significa que elas andavam colocando a maior parte do peso sobre os lados de seus pés. Os autores sugerem que Paramylodon é a criadora de rastros mais provável neste caso particular e, das três, é a maior espécie. Alguns estimam que o Paramylodon tinha cerca de 3 metros de comprimento e podia pesar até ou mais de uma tonelada. O Nothrotheriops, em comparação, era uma preguiça terrestre gigante ligeiramente menor, pesando talvez um quarto de tonelada.

Macias sugeriu que os Nothrotheriops menores podem ter tido mais medo dos humanos, evitando-os totalmente, o que poderia explicar a falta de impressões humanas e Nothrotheriops juntas. “Podemos nunca saber”, disse ela.

Interpretar essas trilhas é a especialidade de Matthew Bennett, da Bournemouth University, que trabalhou nas pegadas durante a maior parte de sua carreira e criou o DigTrace, um software desenvolvido para ajudar a analisar as trilhas. Os cientistas estudaram pegadas fósseis usando radar de penetração no solo, bem como análises 2D e 3D.

“Um geólogo tem que usar o que tem”, escreveu Bennett em um e-mail para o Gizmodo, “mas fazer inferências e previsões firmes com apenas algumas trilhas é errado. Você precisa de muito mais para caracterizar corretamente uma pessoa”.

Essa pesquisa é o que os ajudou a entender o quão rápido a pessoa estava andando, quantos anos ela poderia ter, se estava grávida ou não, a idade da criança e o tempo relativo em que essas pegadas humanas foram cruzadas por uma megafauna antiga. É a extensão da trilha que oferece tantos dados valiosos.

Ashleigh Wiseman, pesquisadora de pós-doutorado no Royal Veterinary College do Reino Unido, ajudou a contextualizar os dados e analisá-los para este artigo, oferecendo uma visão sobre se o trackmaker estava carregando uma criança.

“Ver as pegadas do tamanho de uma criança foi muito emocionante”, Wiseman expressou em um e-mail para o Gizmodo, “principalmente sabendo que as pegadas foram cortadas pouco depois por pegadas de mamutes e preguiças gigantes. Ser capaz de ter um vislumbre das interações da megafauna com humanos há mais de 13.000 anos foi extraordinário”.

“Para Sally e eu, a trilha tem uma dimensão muito pessoal”, escreveu Bennett, referindo-se à coautora (e parceira) Reynolds. “Eu estava trabalhando nisso enquanto Sally estava em casa nos primeiros estágios da gravidez de nossa filha; na verdade, vi minha primeira imagem digitalizada enquanto escavava a trilha. Portanto, chamamos a trilha de ‘trilha de Zoe’ por causa disso, e é o nome informal que a equipe agora usa para as trilhas infantis…Os cientistas não deveriam ter conexões pessoais com a ciência, mas esta peça tem”.

Quando questionado se este artigo mais recente e todos os artigos desde 2018 são apenas a ponta do iceberg, Bustos disse: “Sim. Há tantas histórias que estamos ansiosos para compartilhar e tenho certeza de que muitas mais ainda serão contadas”.

Esses artigos podem ser considerados o capítulo um do livro que é o antigo White Sands, e todos nós estamos esperando ansiosamente pelo próximo.