Cientistas na França descobriram centenas de pegadas fossilizadas pertencentes a um único grupo de neandertais. Com 80.000 anos de idade, elas registram um momento único e precioso na vida desses hominíneos extintos.

Escavações meticulosas realizadas em Le Rozel, na Normandia, França, de 2012 a 2017 revelaram 257 pegadas fossilizadas de neandertais, cuja análise foi publicada na última semana no Proceedings of the National Academy of Sciences. Cerca de 14 indivíduos neandertais foram identificados a partir das impressões, a grande maioria deles adolescentes e crianças. As pegadas, datadas de 80.000 anos atrás, foram inicialmente depositadas em solo lamacento e rapidamente cobertas de areia, resultando em excelente preservação, segundo os pesquisadores.



O principal autor do novo artigo, o doutorando Jérémy Duveau, do Museu Nacional de História Natural de Paris, e seus colegas dizem que é a maior coleção única de pegadas arcaicas de hominíneos encontradas em um único local. Apenas nove pegadas neandertais de quatro locais eram conhecidas antes dessa descoberta.

As pegadas, por terem sido preservadas rapidamente após serem depositadas, capturam “um único momento de vida de um grupo pré-histórico”, escreveram os autores no novo estudo. De fato, os vestígios fósseis são um registro excepcionalmente raro da organização social neandertal, oferecendo evidências não derivadas de fontes tradicionais, como ossos, ferramentas ou DNA.

As 257 pegadas foram encontradas abaixo da costa da Normandia, em um antigo leito costeiro. Foram identificadas cinco trilhas, nas quais duas a três pegadas sucessivas foram feitas pelo mesmo indivíduo. Mais de 40% das pegadas produziram dados científicos robustos, incluindo comprimentos completos de pés, impressões nítidas dos dedos dos pés, marcas de calcanhar arredondadas e assim por diante. É importante ressaltar que o local de 92 metros quadrados era um antigo assentamento neandertal, e não uma trilha ou alguma outra passagem.

Escavações em Le Rozel na Normandia, França. Imagem: Dominique Cliquet

Nenhum osso neandertal foi desenterrado no local, mas as impressões estavam associadas a “material arqueológico abundante”, segundo o artigo, incluindo ferramentas de pedra, evidências de abate de animais, fogueiras e áreas usadas para a construção de objetos pontiagudos.

Ao analisar as impressões e compará-las com os fósseis neandertais encontrados em outros lugares, Duveau e sua equipe conseguiram confirmar as pegadas como pertencentes aos hominíneos extintos.

É importante ressaltar que humanos anatomicamente modernos ainda não haviam chegado à Europa Ocidental e não chegariam por mais de 35.000 anos. Além disso, os denisovanos – um grupo humano primitivo relacionado aos neandertais – não estavam nem perto da Europa Ocidental na época (até onde sabemos), vivendo principalmente na Ásia. Os neandertais, com base nas evidências arqueológicas pré-existentes, eram os únicos hominíneos da Europa Ocidental no momento em que essas pegadas foram feitas.

A análise da forma dos pés também revelou insights sobre seus respectivos donos. Medindo o comprimento, a largura e outras características das impressões, os pesquisadores puderam classificar indivíduos e também inferir sua idade e altura aproximadas. Aproximadamente 10 a 14 indivíduos foram identificados no novo artigo, a maioria deles (90%) adolescentes e crianças, incluindo um com idade estimada de 2 anos. Pesquisas anteriores sugerem que os neandertais viviam em grupos de 10 a 30 indivíduos. A nova descoberta reforça essa estimativa.

Dito isto, a alta proporção de crianças no grupo foi inesperada.

“De fato, é uma surpresa”, disse Duveau em um e-mail ao Gizmodo. “É difícil entender a causa, principalmente porque há pouquíssimos dados disponíveis sobre o tamanho e a composição dos grupos neandertais. Só podemos criar hipóteses: talvez os adultos tenham ficado fora do local, embora isso seja improvável, uma vez que os indivíduos ocuparam o local sazonalmente – é improvável que os adultos tenham ficado fora por tanto tempo”, disse ele. “A alta proporção de crianças e adolescentes também pode ser explicada pela maior mortalidade adulta. Atualmente, é impossível saber o motivo exato de tal composição”.

Ao mesmo tempo, é importante não tirar muitas conclusões com esta única cena. Fatores e circunstâncias incontáveis ​​poderiam ter levado à observação inesperada. Talvez, por exemplo, as crianças tenham sido atraídas para o solo lamacento, enquanto os adultos não queriam chegar perto, uma possibilidade não contemplada no novo artigo.

Outro aspecto surpreendente do estudo é que os neandertais podem ter sido mais altos do que pensávamos. As estimativas convencionais colocam a altura média dos neandertais em cerca de 166 centímetros para homens e 154 cm para mulheres, mas as medições das pegadas de Le Rozel sugerem que alguns neandertais eram bastante altos. Especificamente, os pesquisadores descobriram pegadas relativamente longas, possivelmente pertencentes a um neandertal homem, que correspondem a um indivíduo entre 175 cm e 190 cm, sendo o menor número mais provável. Ainda assim, isso seria “relativamente grande para um neandertal”, disse Duveau.

Medições de ossos neandertais reais, em vez de pegadas – que são sujeitas a distorções geológicas ao longo do tempo – são um indicador de altura mais confiável no registro fóssil.

Levando tudo isso em conta, podemos imaginar a cena como era há 80.000 anos: este local, agora uma praia, já foi “cercado por planícies herbáceas e algumas áreas arborizadas”, disse Duveau ao Gizmodo, enquanto o mar, que agora faz fronteira com o sítio arqueológico, “estava mais longe”. O local estava (e ainda está) cercado por um penhasco, que protegia a pequena comunidade de climas desfavoráveis. E em termos das atividades diárias, os neandertais trabalhavam para construir ferramentas de pedra e cortar carcaças de animais.

“Atualmente, não sabemos o papel das crianças nessas atividades”, disse Duveau. “A distribuição das atividades de acordo com a idade dos indivíduos será o assunto de nossas pesquisas futuras”.

A imagem de adolescentes e crianças correndo por aí – fazendo pegadas de lama enquanto seus pais se esforçam em suas tarefas diárias – é consistente com o que aprendemos sobre os neandertais e muito distante da imagem desatualizada deles como brutos violentos e não inteligentes. Esses hominíneos eram socialmente complexos, totalmente capazes de fornecer ajuda aos membros necessitados.

O motivo pelo qual os neandertais desapareceram cerca de 40.000 anos atrás continua sendo um mistério, mas estamos nos aproximando da resposta – mesmo que seja um passo fossilizado de cada vez.