Agora que sabemos as especificações completas do PS5 e Xbox Series X, vimos que não há muita diferença entre eles – pelo menos no nível de hardware.

Ambos possuem GPUs da AMD customizadas com a arquitetura RDNA2. Ambos possuem suporte a ray tracing. Ambos possuem aproximadamente a mesma quantidade de TFLOPS e a mesma quantidade de núcleos gráficos de unidades computacionais, além de frequências operacionais que devem ter quase a mesma performance. Os dois consoles possuem CPUs com especificações praticamente idênticas.

Então, sem contar com a disponibilidade de games, títulos gratuitos e pequenas funcionalidades como melhores respostas táteis dos controles ou suporte para jogos na nuvem, qual será a vantagem de cada um? A resposta é: armazenamento. Um dos elementos menos animadores de qualquer console está prestes a se tornar o mais crucial.

A diferença entre HDs e SSDs

Na geração atualmente no mercado, o PlayStation e o Xbox utilizam HDDs (discos rígidos convencionais), que são bem mais lentos do que os SSDs (disco de estado sólido). A informação em um HDD é escrita em um disco que tem partes que se movem, enquanto os SSDs geralmente possuem informações escritas na memória flash e não possuem partes móveis, o que torna as velocidades de leitura/escrita muito maiores.

Para você ter uma ideia, alguns HDDs podem ter uma velocidade de transferência de 210MB/s, mas algumas SSDs podem chegar a mais de 5GB/s. Essa alta velocidade de transferência pode significar tempos de carregamento mais rápidos, entre outras coisas.

Porém, os SSDs só começaram a decolar por volta de 2010. Sony e Microsoft não os implementaram o componente no PS4 e Xbox One nos anos seguintes porque estes componentes eram caros na época e teriam aumentado o preço de seus consoles em centenas de dólares.

Os SSDs ficaram muito mais rápidos e muito mais baratos desde então, então já é hora dos consoles da próxima geração abraçaram esse componente como dispositivo de armazenamento primário.

Embora tanto o PS5 quanto o Xbox Series X utilizem SSDs como dispositivo de armazenamento primário pela primeira vez, eles são implementados de forma diferente em cada produto.

O SSD de cada console

O PS5 tem um SSD personalizado de 825GB e está incrivelmente orgulhoso dele. Comparado ao HDD de 500GB do PS4, a Sony projetou a SSD do PS5 para ser o mais eficiente possível, com uma interface de 12 canais e um controlador que se conecta a uma interconexão PCI Express 4.0, o que sugere que está usando um SSD PCIe NVMe M.2, que agora são amplamente utilizadas em desktops e laptops.

Além disso, a Sony disse que o SSD do PS5 tem uma taxa de transferência de 5,5GB/s quando se trata de dados brutos, e 8-9GB/s quando se trata de dados compactados.

O PS5 também oferece um slot NVMe SSD expansível, e caso alguém decida que 825GB de espaço não é suficiente, provavelmente poderá usar uma componente comprado separadamente nesse slot de expansão.

A Sony não lançou uma lista oficial de compatibilidade, mas eu imagino que a maioria dos SSDs NVMe disponíveis no mercado, como o 970 Evo da Samsung ou o XPG da Adata, funcionariam – a menos que a Sony esteja planejando algo estranho. O PS5 também tem suporte a HDD externo via USB.

O Xbox Series X também tem um slot de expansão SSD, mas ele só é compatível SSDs proprietários. Porém, o videogame será compatível com qualquer HDD externo com USB 3.2, o que deve, no mínimo, facilitar a expansão do armazenamento.

O Xbox Series X tem um SSD primário personalizado ligeiramente maior que o PS5, com 1TB de espaço. Entretanto, a velocidade de transferência é muito menor que a do PS5, apenas 2,4GB/s para dados brutos e 4,8GB/s para dados compactados.

Jogos cada vez maiores

Parece que o PS5 está tentando enfrentar uma de suas maiores desvantagens: a forma como lida com a instalação e atualização de jogos. Mesmo que você tenha 90GB de espaço disponível para um jogo de 60GB, o sistema do PlayStation exige pelo menos o dobro da quantidade de espaço do jogo para instalar ou atualizar.

Por que? Ele basicamente cria uma cópia completa e temporária do que está tentando instalar. Esse não é necessariamente um grande problema com o PS4, mas definitivamente incomoda quem tem o modelo de 500GB, dependendo do tipo de jogos instalados.

E os jogos estão ficando maiores. Muito maiores. Final Fantasy VII Remake ocupa 100GB de espaço. Call of Duty: Infinite Warfare ocupava originalmente 90GB, mas com todas as atualizações esse número cresceu para 175GB. Red Dead Redemption 2 tem 105GB. A menos que você invista em algum armazenamento extra, só dá para ter alguns desses jogos instalados de cada vez.

Tanto o Xbox Series X quanto o PS5 têm como alvo atingir resoluções de 4K a 60fps (até 120fps). Jogos como os citados acima precisam de um espaço enorme, pois possuem muitos pacotes de textura, especialmente para exibi-los a 4K.

Se você pegarmos texturas em 2K e supormos que um jogo tem 9.600 texturas únicas, são aproximadamente 150GB de armazenamento para que todas as texturas do game sejam descomprimidas. Texturas 4K no mesmo tamanho de arquivo significaria apenas 2.400 texturas, já que estão em uma resolução maior.

Essa quantidade não é um exagero para a criação de certos tipos de jogos, especialmente os listados acima. Todos esses games têm toneladas de ambientes únicos que precisam de muitas, muitas texturas, e eu não estou nem mesmo levando em conta outros elementos do jogo como efeitos sonoros e trilha.

Se você realmente quer mergulhar em alguns números, a Unreal Engine tem uma ótima tabela que diz aproximadamente quanto espaço uma única imagem/textura irá ocupar com base em sua resolução, sem compressão. Então, se olharmos quanto espaço uma textura de 4K ocupa (resolução 4096×4096), dependendo da versão de textura que você está usando, uma única textura de 4K pode ocupar 21,3MB de espaço. Vezes 9.600 texturas, o resultado são 205GB. Só para texturas!

Existe um software chamado DirectX Texture Compression (DXTC), que é um algoritmo de compressão de imagem com taxa fixa que ajuda a empacotar mais imagens em um jogo enquanto mantém o tamanho do arquivo o mais baixo possível.

Ele comprime as imagens do jogo a uma proporção 4:1 ou 6:1 (mais comumente), significando que um jogo pode armazenar quatro a seis vezes mais imagens dentro de um determinado espaço. Ele também ajuda a determinar quais texturas realmente precisam ser armazenadas em uma resolução completa e quais não precisam. No entanto, mesmo fazendo uso dessas técnicas de compressão, os jogos têm crescido muito e só vão aumentar.

Somente esse aspecto já é o suficiente para dar a dimensão da importância do armazenamento do PS5 e Xbox Series X. Ter 1TB é melhor para ter mais jogos instalados, obviamente, mas a velocidade de transferência do PS5 vai ser capaz de carregar todas essas texturas, e outros ativos do jogo, mais rapidamente. Combine isso com a opção de adicionar um SSD para aumentar o espaço de armazenamento, e parece que o PS5 terá uma leve vantagem na guerra do armazenamento.