Na terça-feira (2), o bilionário japonês Yusaku Maezawa anunciou seus planos para levar oito passageiros com ele até a Lua em 2023. Embora as expectativas sejam altas para esse voo espacial turístico, ainda há muito chão pela frente, conforme mostrou a SpaceX na quarta-feira (4).

Apenas um dia após o anúncio do primeiro turista confirmado para a viagem à Lua, a empresa de Elon Musk realizou mais um teste do seu foguete Starship que resultou, novamente, em uma explosão. O veículo SN10 decolou do local de testes da SpaceX em Boca China, no Texas.

Ele seguiu os mesmos passos dos seus antecessores, SN8 e SN9, voando a uma altitude de 10 quilômetros e desligando seus três motores Raptor em sequência durante a descida. Por fim, o SN10 fez uma manobra para a posição horizontal a fim de retornar para a plataforma de aterragem.

Nos últimos dois testes, a SpaceX identificou problemas para reativar dois motores Raptor necessários para o pouso após o veículo retornar à posição vertical. Dessa vez, para evitar a mesma falha, a empresa optou por ligar todos os três motores e depois desligar dois deles para a aterrisagem.

Assine a newsletter do Gizmodo

A nova estratégia parecia ter funcionado perfeitamente — o veículo pousou suavemente seis minutos e 20 segundos após a decolagem. Durante o webcast da SpaceX, a equipe comemorou e encerrou a transmissão. No entanto, outros webcasts independentes mostraram que cerca de oito minutos após o pouso, houve uma explosão na base do SN10, destruindo a plataforma de aterrissagem. Alguns minutos antes da explosão, foi possível ver pela transmissão algumas mangueiras jorrando água na base do veículo.

Nem a SpaceX e nem Elon Musk se pronunciaram imediatamente após a explosão, mas John Insprucker, engenheiro da empresa que apresentou o webcast, afirmou que o próximo protótipo, SN11, já está pronto para decolar em um futuro próximo.

Confira no vídeo abaixo:

 

[SpaceNews]