Veículos totalmente autônomos já estão sendo testados por aí, mas existe uma característica em todos os carros que parece não ter sido melhorada há um século: o quebra-sol. Um grupo de engenheiros da Bosch se juntou para atualizar essa funcionalidade antiquada e finalmente bloquear a luz do sol, sem bloquear a visão do motorista.

Esse é um problema que todo motorista enfrenta pelo menos uma vez no dia caso saia bem cedinho ou no finalzinho da tarde. Parece que tem um superlaser sendo apontado direto para as suas retinas, te cegando completamente.

Instintivamente, você busca pelo quebra-sol e, a partir desse momento, começa uma batalha para achar o ângulo ideal para bloquear os raios de sol sem perder toda a visão da via. Eu acho que essa é uma batalha que os motoristas nunca vão ganhar, a não ser que as montadoras comecem a usar a inovação da Bosch.

Em vez de um painel rígido envolto em tecido, a Virtual Visor da Bosch possui um painel LCD que pode ser puxado para baixo quando o sol está incomodando. O painel funciona junto com uma uma câmara que fica apontada para o rosto do motorista – o vídeo ao vivo é processado com a ajuda de uma inteligência artificial personalizada, que foi treinada para reconhecer características faciais como o nariz, a boca e olhos.

O sistema de câmera, em tese, reconhece as sombras lançadas nos olhos do motorista e usa essa habilidade para escurecer as áreas do visor LCD onde a luz intensa do sol estaria passando e dificultando a visão do condutor.

A região do visor que é escurecida muda constantemente com base nos movimentos do veículo e do motorista, mas o restante da tela fica transparente para proporcionar uma visão menos obstruída da via e de outros veículos à frente.

O Virtual Visor começou a ser desenvolvido como um projeto paralelo de três engenheiros do grupo motopropulsor da Bosch. Eles trabalharam no produto durante o tempo livre e usaram as peças de um computador antigo. Infelizmente, não há uma previsão para que a inovação chegue aos veículos – se é que um dia veremos isso no mundo real.

Se você já deixou o seu celular caiu ou bateu ele com muita força, já deve ter percebido o quão frágil telas LCD podem ser. Isso significa que ainda serão necessários muitos testes antes que um produto como esse se espalhe pelo mercado. Mas é uma inovação esperta que usa uma tecnologia relativamente barata e que já está disponível.