Na semana passada, a Nvidia nos mostrou a verdadeira promessa e visão da tecnologia ray tracing — tornando os ambientes virtuais tão reais quanto possível com base em como a luz é lançada e refletida em superfícies e objetos. Não é um conceito novo. Estúdios de animação como a Pixar vem trabalhando com efeitos de rastreamento de raios há anos. Mas sempre foi mais fácil usar esses efeitos em um filme de animação porque nada precisa ser renderizado em tempo real. A Nvidia mudou tudo isso quando lançou suas placas gráficas da série RTX 20. Pela primeira vez, o ray tracing em tempo real em videogames foi possível. Mas não era tão bom. Com as novas placas RTX 30, a Nvidia mostrou o que pode ser o Santo Graal do ray tracing que estávamos esperando.

Quando a Nvidia lançou sua primeira placa de vídeo com ray tracing, dois anos atrás, tinha poucos jogos e os efeitos de iluminação neles era em sua maioria limitados e simples reflexos ou sombras. A Nvidia havia passado tanto tempo promovendo sua mais nova arquitetura na época e divulgando a incrível realidade do ray tracing, mas não havia muitas evidências concretas, especialmente nas mãos dos consumidores, para corresponder a todo este hype.

Com o passar do tempo, jogos como Metro Exodus e Control começaram a incorporar iluminação mais complexa em suas cenas, mas o impacto no desempenho não foi tranquilo. Mesmo as melhores placas da Nvidia tiveram dificuldades. Uma placa de última geração como a RTX 2080 Ti pode lidar com jogos ray tracing a 1080p, mas aumentar a resolução para 4K pode muitas vezes diminuir a taxa de quadros para abaixo de 60 fps, às vezes com o ray tracing desativado também.

Mas com todas as melhorias que a Nvidia mostrou durante o anúncio da série RTX 30, este é o ray tracing que estamos esperando há dois anos. Descanse em paz, Big Navi [plataforma gráfica da AMD]. Descanse em paz, Xbox Series X. Descanse em paz, PlayStation 5.

A Nvidia mais uma vez fez tudo para manter seu reinado na área gráfica, e com preços surpreendentemente baixos na RTX 3080 e na RTX 3070, que talvez seja melhor juntar dinheiro para comprar uma nova placa de feriado neste fim de ano do que um novo console.

É uma declaração ousada, eu sei, mas a versão aprimorada da Nvidia de seu vídeo Marbles, que foi exibido pela primeira vez em seu evento GTC há alguns meses, me conquistou completamente. A versão original tinha texturas e iluminação que faziam você sentir o calor da sala, como se estivesse lá. Eu quase podia sentir o cheiro da tinta acrílica, a mistura de madeira fresca e gasta, e sentir a suavidade da bolinha de gude apenas de ouvir o barulho suave que fazia ao percorrer o caminho. Tudo parecia tão bom, talvez até melhor, como as cenas cortadas totalmente renderizadas nos melhores videogames. Isso porque o vídeo original de Marbles foi criado com gráficos fotorrealistas e com ray tracing em tempo real. Ele estava funcionando na placa de vídeo de última geração da Nvidia, uma Quadro X 8000 baseada na arquitetura Turing.

O vídeo da semana passada passada foi diferente. É mais como se alguém jogasse uma bola de gude passando por uma gama de latas de tinta e pincéis com uma câmera RED do que uma cena em um videogame.

É o mesmo vídeo, mas executado na nova arquitetura Ampere da Nvidia, que alimenta as novas placas gráficas da série RTX 30. Possui efeitos de iluminação mais complexos, todos renderizados em tempo real. Ainda posso sentir o cheiro da tinta e da madeira, mas agora há uma mistura de cascata de luz e sombras conforme o sol se põe, as luzes penduradas brilhando e zumbindo para a vida sobre o aparelho confortavelmente aninhado perto da janela, o brilho suave das bolinhas de gude enquanto espiralam descendo o escorregador…

É poesia pura.

Aqui estão algumas capturas de tela do vídeo Marbles original renderizado a 720p, 25 fps, e do novo vídeo Marbles renderizado a 1440p, 30 fps, apenas para fazer uma comparação rápida.

De acordo com a Nvidia, a versão aprimorada do Marbles está executando com mais de quatro vezes o desempenho da versão original — fácil de acreditar quando você compara a iluminação diurna e as sombras da primeira versão com os reflexos, sombras, iluminação brilhante e outra iluminação complexa efeitos da nova versão. Existem centenas de luzes de área, incluindo luzes de área esféricas. Nada é pré-carregado ou renderizado antes. Tudo é feito ao vivo. Há também profundidade de campo na nova versão, enquanto não havia na versão anterior do Marbles.

É tudo tão realista quanto o que você poderia filmar em sua própria casa se tivesse as habilidades cinematográficas de Wes Anderson.

E se isso não for impressionante o suficiente, dê uma olhada em como o Cyberpunk 2077 será executado em gráficos Ampere.

Lindo é mesmo uma palavra que faz justiça a isso? Como o Marbles original, todos os trailers e jogabilidade do Cyberpunk 2077 até este ponto pareceram fantásticos — mas a arquitetura Ampere leva isso a um outro nível. As placas RTX 3090, RTX 3080 e RTX 3070 também serão lançadas antes do jogo.

Em parte, isso se deve ao fato de que a Nvidia aprimorou seriamente as especificações ao passar da arquitetura Turing para a nova arquitetura Ampere. Os principais núcleos de Turing da Nvidia tinham 11 TFLOPS (teraflops) Shader, 34 RT Core TFLOPS e 89 Tensor Core TFLOPS. Todas essas coisas trabalhando juntas são o que faz o ray tracing em tempo real funcionar.

Com o sistema Ampere, existem agora 30 TFLOPS Shader, 58 RT TFLOPS e 238 Tensor Core TFLOPS, o que se traduz em um grande aumento de computação para fornecer gráficos mais realistas em resoluções mais altas e taxas de quadros mais altas. Vou repetir: este é o ray tracing que queríamos em 2018.

A Nvidia fez uma grande aposta ao lançar suas primeiras placas RTX. Ao fazer isso, você que provavelmente comprou uma placa RTX 20 dois anos atrás ou na semana passada, lamento dizer que você pode ter desperdiçado seu dinheiro. Espero colocar minhas mãos na RTX 3080 em breve e ver o quanto ela é superior a RTX 2080 Ti, especialmente porque a RTX 3080 começa com um preço mais baixo em comparação com a RTX 2080 Ti quando foi lançada inicialmente — US$ 700 em comparação com US$ 1.000. Mais potência e melhores gráficos por US$ 300 a menos? US$ 700 é um custo alto, mas é um preço mais atraente do que as GPUs da geração anterior.

Não tenho ideia em como a AMD, e mesmo a Intel, vai superar as placas RTX 30. Mas, francamente, dado que não ouvimos muito sobre placas de vídeo AMD por um tempo e a Intel apenas confirmou que suas GPUs terão ray tracing, não vejo como qualquer uma delas será capaz de competir, mesmo que elas sejam vendidas a um preço bem menor. A Nvidia acaba de tornar o espaço de GPUs muito mais interessante.