Enquanto se recuperava no hospital depois de um grave acidente de carro, uma mulher de 55 anos do Missouri começou a reclamar de náusea e gosto ruim na boca. Um exame oral posterior revelou algo alarmante — a língua da paciente tinha ficado preta e estava coberta de estruturas semelhantes a pelos. Mas, embora essa condição rara pareça séria, ela é, na verdade, inofensiva.

Um novo relato de caso publicado nesta quinta-feira (6) no New England Journal of Medicine narra um caso raro da condição, conhecida como língua pilosa negra.

• Droga experimental oferece esperança para pessoas com forma devastadora de esclerose múltipla
• Um estudo genético encontrou ligação entre a esquizofrenia e uso de maconha

Depois de uma lesão grave em que ambas as suas pernas foram esmagadas, uma mulher não identificada foi enviada ao hospital, de acordo com o estudo de caso. Enquanto se recuperava, uma infecção se desenvolveu em um de seus ferimentos. A equipe médica a colocou em um regime de antibiótico composto de meropeném, que ela recebeu por via intravenosa, e minociclina, que foi administrada por via oral.

À esquerda: O caso raro de língua pilosa negra. À direita: A mesma mulher, quatro semanas depois do fim do tratamento com minociclina. Imagem: Yasir Hamad, M.D., e David K. Warren, M.D./NEJM

Uma semana depois, a língua da paciente começou a adquirir um tom preto acastanhado. Ela se queixou de sentir náuseas e disse que tinha um gosto ruim em sua boca. A equipe médica da paciente a diagnosticou como tendo língua pilosa negra, com uma reação à minociclina sendo a causa provável.

A língua pilosa negra é uma condição benigna e surpreendentemente comum, mas, na maioria das vezes, ela parece amarelada, e não preta, como visto nesse caso em particular. Nos Estados Unidos, ela afeta cerca de 1% da população, mas, em algumas partes do mundo, até 10% das pessoas a têm, segundo David Warren, coautor do novo relatório e professor de medicina na Universidade de Washington.

A condição acontece quando as saliências na superfície superior da língua, as papilas filiformes, crescem anormalmente por muito tempo. Esses pequenos calombos se tornam alongados, variando de um a 18 milímetros de comprimento. Então, tecnicamente falando, não é um cabelo de fato crescendo na língua.

“Se você olhar a superfície da língua de perto, verá que se parece com uma lixa. As papilas filiformes são o que formam a superfície áspera”, disse Warren ao Gizmodo. “Elas são cobertas de queratina, que é a mesma proteína da sua pele. Normalmente, essa camada externa das papilas é continuamente removida quando comemos. Na língua pilosa negra, por várias razões, essa camada cresce mais rápido do que consegue ser removida, de modo que as papilas se tornam mais longas. Mudanças nos tipos de bactérias que normalmente vivem na boca podem causar o desenvolvimento do pigmento.”

Não ficou completamente claro por que a minociclina pode causar a língua pilosa negra, mas Warren disse que ela pode estar alterando os tipos de bactérias que vivem na boca, permitindo a proliferação de algumas espécies que causam o pigmento. Outros antibióticos e medicamentos também foram associados à doença, assim como tabagismo, má higiene bucal, consumo excessivo de chá preto e café e tratamento com radiação para câncer de cabeça e pescoço, disse Warren. Felizmente, a língua pilosa negra é reversível e não tem efeitos na saúde a longo prazo.

“A língua pilosa negra pode ser muito perturbadora por causa de sua aparência, mas, em geral, é benigna”, afirmou Warren. “Algumas pessoas com língua pilosa negra relatam ter irritação na boca, gosto ruim, comida sem sabor ou mau hálito. O tratamento para a condição envolve remover certos alimentos e bebidas de sua dieta que são conhecidos por causá-la, parar de fumar e ter uma boa higiene bucal. Escovar suavemente a parte superior da língua com uma escova macia também pode ajudar. Se esses passos não funcionarem, e se os pacientes estiverem tomando remédios conhecidos por causar a língua pilosa negra ou se alguém estiver muito preocupado com isso, eles devem procurar o médico.”

Nesse caso, deixaram de dar minociclina para a mulher e lhe deram um conjunto diferente de antibióticos. Também foi recomendado a ela uma melhor higiene oral. Quatro semanas depois de parar de tomar minociclina, sua língua voltou ao normal. O que foi, sem dúvidas, um grande alívio para a paciente.

[New England Journal of Medicine]

Imagem do topo: Yasir Hamad, M.D., and David K. Warren, M.D./NEJM